Uma palavrinha sobre o salário mínimo

Um leitor aqui veio falar que não ter reajuste real do salário mínimo seria um retrocesso. Bom, depois de anos de um política econômica estúpida do PT, que nos levou a  pior recessão desde a dedada de 30, repito: PIOR RECESSÃO DESDE A DÉCADA DE 1930!, o reajuste real do salário mínimo ao longo do segundo governo será muito baixo e, segundo a regra atual, zero em 2017, 2018 e a talvez em 2019.

A regra atual do reajuste do salário mínimo é a inflação do ano anterior medida pelo INPC mais o crescimento real do PIB de dois anos anteriores. O governo pode até dar um aumento real pequeno de 0,4% como fez este ano, mas não vai mudar o fato que, ao longo de quatro anos do segundo governo Dilma, o sal mínimo terá crescimento real muito pequeno e poderá ser “zero” ao longo dos próximos três anos.

Me desculpem, mas alguém achar que o PT fez um gestão econômica boa é a meu ver uma desconexão com o bom senso e com a realidade. A política econômica desde 2009 foi um desastre. Uma mistura de arrogância, mentiras e propostas desastrosas que não eram sustentáveis e que pessoas de terno e com cargo de ministro defendiam sem nenhum compromisso.

O resultado está ai para todo mundo ver. Em relação ao salário mínimo, o que teremos no segundo governo Dilma será seguinte:

Reajuste real SM em 2015 = 2,7% , 2016 = 0,6%, 2017 = 0% e 2018 = 0% . Em quatro anos, os reajustes reais acumulados do salário mínimo serão de 3,5%. E Dilma não fará coisa alguma porque, mesmo com CPMF, não terá recursos para voltar a conceder reajustes reais expressivos do salário mínimo.

A forte desaceleração da economia e, como consequência, a forte queda no reajuste do salário mínimo teria acontecido com qualquer governo? claro que não! Tem que ser muito bom em promover confusão e ir contra os livros textos de economia para produzir tamanha combinação de erros que nos levou a recessão atual.

O que mais me preocupa, além da conta a ser paga pelos mais pobres, é que algumas das pessoas que fizeram esses erros voltaram a dar aulas em universidades. Tenho pena dos  nossos jovens que terão que sentar e escutar essas pessoas.

(OBS: no texto original que escrevi, em várias passagens, comparava crescimento real com inflação. Quando escrevi estava pensando em uma coisa e escrevendo outra. Peço desculpa aos leitores por um deslize tão grosseiro que agora consertei). 

27 pensamentos sobre “Uma palavrinha sobre o salário mínimo

  1. Salve Mansueto! Uma pergunta: Vc acha que uma politica de reajuste de salario mínimo é boa para o pais e para os mais pobres? Não seria melhor deixar as pessoas decidirem isso livremente, de forma que os salários acompanhassem a produtividade? Me parece injustiça alguém por decreto decidir que uma pessoa que não tem capacidade de ganhar o mínimo tenha que ficar desempregada, ou seja empurrada para políticas assistencialistas

    • A boa proposta, infelizmente, é o que diz a regra atual = 0% de crescimento real. Não temos receita para cobrir o impacto de qualquer reajuste real a não ser que estejamos dispostos a aumentar a divida além do que ela já vai aumentar.

  2. Para compreender a situação a que fomos levados, será necessário um breve exame das raízes intelectuais da política de pleno emprego do tipo “keynesiano”.

    Keynes elaborou suas teorias partindo do pressuposto correto de que a causa comum do amplo desemprego é a demasiada elevação dos salários reais. Em seguida, ele verificou que uma redução direta dos salários nominais só seria obtida com uma luta tão penosa e prolongada que sequer seria concebível. Daí, ele concluiu que os salários reais deviam ser reduzidos pelo processo de desvalorização do dinheiro (inflação).

    Essa gentalha apenas seguiu a cartilha o resultado não poderia ser outro.
    Tudo que está acontecendo hoje no tange (finanças, emprego, etc) está muito bem fundamento pelos pensadores da Escola Austríaca de Pensamento Econômico.

    Quanto aos “professores universitários”, relato:
    Abandonei o estudo de Ciências Econômicas em uma Universidade Federal, não foi possível suportar tamanhas doses de imbecilidade e arrogância intelectual. Vida que segue…

  3. Bom dia Mansueto,
    Apesar de todos estes anos de desajustes tentei achar, e não achei na web, um artigo ou site, que consolidasse pelo menos os principais prejuizos causados pelo contínuo desajuste com objetividade e abrangência. Isto é surpreendente, pois quase todo dia há uma notícia apontando bilhões de reais de prejuizo: Petrobras, Correios, Fundos de Pensão de funcionarios de estatais, BNDES, Setor do Alcool, etc.
    Portanto, fica aqui este convite/teaser para que você comece a consolidar num site, ou artigo, tudo isto. É uma tarefa urgente. Desconfio que pior do que a corrupção -já tão discutida, estamos num quadro agudo de deficiência de competência cujos efeitos batem a corrupção num placar superior ao do fatídico 7 x 1 da copa.

  4. Mansueto não entendi o seguinte trecho:

    Reajuste real SM em 2015 = 2,7% , 2016 = 0,6%, 2017 = 0% e 2018 = 0% . Em quatro anos, os reajustes reais acumulados do salário mínimo serão de 3,5% para uma inflação acumulada perto ou superior a 30%!

    Qual a relevância de falar de inflação acumulada de 30% ou 100% visto que se está falando de reajustes reais, ou seja, acima da inflação?

    Poderia ser dito que 3,5% ao longo de 4 anos é muito pouco, mas você não pode esquecer do populismo da presidente que provavelmente vai aprovar reajustes reais nos anos de 2017 e 2018 apenas para não apanhar da mídia e posar de mãe dos pobres, ignorando qualquer fundamento econômico.

    De resto sou a favor dos salários acompanharem o aumento da produtividade, pois a meu ver essa é a única forma sustentável de aumentá-los. Não vejo sentido em ter um salário artificialmente elevado e que não se sustente no médio e longo prazo

    • Erro meu, vou corrigir.deveria ter comparado reajuste nominal com a inflação do período. Toda razão, na agonia fiz erro elementar.

  5. Mansueto, bom dia!

    De maneira geral concordo com seu diagnóstico, segundo o qual a regra de reajuste do SM perdeu a funcionalidade e deve ser, o quanto antes, alterada.
    Só fiquei com uma dúvida no seu texto: é correto comparar aumento real do SM com a variação esperada da inflação? O ideal não seria comparar o aumento nominal do mínimo com a inflação, para daí ter uma ideia da possível perda real do SM?

  6. Mansueto,

    como você menciona o reajuste real de 3,5%, portanto acima da inflação, alguns podem achar que o salário mínimo teve aumento real. Por outro lado a inflação vai comendo o aumento real aos poucos, de modo que o valor do salário mínimo vai sendo corroído ao longo do ano pela inflação.

    Seria possível fazer o cálculo de quanto a inflação corroeu o salário mínimo mensalmente de modo a mostrar que o salário médio anual não teve aumento real, mas sim uma redução.

  7. Mansueto,
    Permita-me uma sugestão: faça um texto explicativo, simples e didático das pedaladas fiscais; explique que o saque de quase R$ 60 bi equivale a um saldo negativo no cartão de crédito; que custou xxx de juros (os bancos – mesmo estatais são corporativistas – não costumam perdoar); que isto rompeu com a confiança dos investidores e provocou um enorme aumento nos cupons ( se for o caso) e, consequentemente, pagaremos mais xxxxx por esta jogada.
    Aproveite pra falar do motim que houve na Fazenda a cerca das medidas do Arno Augustin e sua trupe.
    Acho que é isto. Você é a pessoa mais capaz de explicar isto a todos.
    Não basta as pessoas ouvirem que a LRF foi descumprida, o País precisa saber as consequências.
    Cumprimentos pelo blog.
    abraço.
    Edison

  8. Com PIB caindo 4%, até crescimento real zero me parece temerário.

    Para mim, se a regra leva em consideração desempenho do PIB, deveria valer também quando ele é negativo. Ou seja: inflação + 10%; PIB -4% = reajuste nominal 6%. = reajuste real -4%.

    Gastos reais congelados já são um desastre para um governo com queda abrupta na arrecadação.

  9. Mansueto, lendo o seu post me lembrei da proposta de regra de reajuste do mínimo defendida pelo professor José Luiz Oreiro (ex-UFPR, ex-UNB, ex-UFRJ e agora novamente na UNB). A proposta é: meta de inflação (4,5%) + índice de aumento da produtividade (algo em torno de 2%).

    Dessa maneira, segundo o professor, haveria a possibilidade real dos trabalhadores terem perdas e, dessa maneira, forcem o BCB a cumprir o centro da meta.
    O que acha?

    • Várias pessoas falam isso. Não seria muito ruim. Outra alternativa seria termos dois sal mínimos – um para indexar benefícios sociais e outro para mercado de trabalho. No Chile, se me recordo, tem algo desse tipo.

  10. Pessoal, um aumento de salário (mínimo ou não) baseado no aumento do PIB antes de mais nada carece de lógica. Se um país continua fazendo as mesmas coisa por longo período de tempo, com o mesmo tipo de atividade econômica, com o mesmo nível de produtividade e sem inflação, o PIB naturalmente acompanhará a expansão vegetativa da população. Os salários devem ou podem aumentar nesse cenário? Para mim a resposta negativa é tão evidente que nem entendo como se discute isso seriamente.

  11. boa tarde Mansueto, falou e disse muito bem, o desastre das contas do governo administrado pelo PT, esta ai para todos verem. Foi a pior recessão desde 1930, e, ainda tem gente que acredita neles. Eu nunca acreditei nessa turma.

  12. Mansueto, ao comentar um dos post eu disse que deixar de corrigir o salário mínimo abaixo da inflação é um retrocesso. Li este post e todos os comentários, como já são diversos resolvi voltar ao assunto. É possível observar que nenhum deles se aprofunda na questão, apenas partem do pressuposto que os economistas que concordam com aumento real são incompetentes, despreparados, burros…ou petistas. Pois bem, eu posso até ser incompetente, burro e despreparado, mas não sou petista e tenho certeza que aumentos de salários mínimos abaixo da inflação é um tremendo retrocesso. Os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e o Rio Grande do Sul (não são administrados por petistas), mas em todos eles o salário mínimo, além de ser maior é sempre reajustado com aumentos reais. Será que esses estados dão aumento real ao salário mínimo porque são mais ricos ou são mais ricos porque o aumento do salário mínimo é real?. Estou com 63 anos de idade e um dos maiores desejos dos nossos administradores era que um dia o salário mínimo alcançasse o valor de 100 dólares. Hoje ele vale 246 dólares. Cerca de 46 milhões de pessoas recebem um salário mínimo no Brasil, essa parcela movimenta parte importante da economia, principalmente a dos pequenos municípios. Eu sou engenheiro e tenho bom conhecimento na minha área, mas tenho profundo respeito pelos meus colegas porque não sou o dono da verdade. Quando falamos de economia estamos tratando de uma “Ciência Econômica e Social” que não é exata e não pode ser aplicada com o uso apenas de estatísticas e operações matemáticas. Muitos economistas alarmistas estão pintando um quadro para o país que não combina com a realidade. A situação de hoje nem de longe pode ser comparada com a da década de 30. O Brasil vivencia neste momento problemas econômicos originados de uma série de fatores, mas o sistema financeiro do pais é solido, tem liquidez e em breve vencerá esse ciclo difícil da mesma maneira que superou outras vezes em condições muito mais desfavoráveis.

    • Essa certeza vem donde? Da tua “imensa fé em Deus”, pafraseando nosso injustiçado e golpeado ex-presidente Fernando Collor? Ou tem alguma outra justificativa mais mundana?

      • Marcelo Alves, eu não tenho certeza. Acredito que se recuperá em breve tomando como referencia a experiencia do passado. Alguns alarmistas diziam que o Sistema Cantareira só se recuperaria daqui a dez anos. Hoje o Sistema atingiu 36,8% acima do volume útil. É o suficiente para ultrapassar todo o período de estiagem sem precisar voltar ao uso do volume morto. Muitos técnicos, usando como referencia suas experiencias, afirmavam tratar-se de um fenômeno cíclico, porém eram simplesmente ignorados.

Os comentários estão desativados.