Meia Década Perdida: 2014-2018.

No início de dezembro, as projeções da pesquisa FOCUS apontavam para um crescimento do PIB real ao longo do segundo governo Dilma de 1,9% ao ano. Não é um crescimento brilhante, mas sinalizava que o PIB per capita no Brasil continuaria crescendo: 1% ao ano, o que exigiria 70 anos para duplicar o PIB per capita.

Mas hoje as expectativas do mercado são ainda piores. O mercado desde dezembro revisou para baixo a expectativa de crescimento médio do segundo governo Dilma de 2015 a 2018, que agora passou para 0,9% ao ano, taxa semelhante ao crescimento da população o que significa estagnação do PIB per capita.

Crescimento Médio do PIB – 2015-2018 (segundo governo Dilma) – Projeção FOCUS – dez/2014-jun/2015 – % ao ano

Crescimento PIB

Se essa expectativa se confirmar, como em 2014 o crescimento do PIB foi de apenas 0,1%, o PIB per capita caiu e não conseguirá se recuperar até o final de 2018, quando PIB per capita ainda seria menor que em 2013. Ou seja, se as expectativas do mercado da pesquisa FOCUS se confirmarem, teremos meia década perdida se o critério utilizado for crescimento do PIB per capita.

Há uma notícia ruim. Muitos economistas de mercado apontam que a mediana das expectativas da pesquisa FOCUS estão superestimadas e, assim, o resultado poderia ainda ser pior: crescimento médio do PIB entre 0,4% ao ano e 0,6% ao ano de 2015 a 2018.

Expectativas de crescimento do PIB ( pesquisa FOCUS – 19 de junho de 2015):

2015: -1,45%

2016:  0,70%

2017:  2,00%

2018:  2,25%

Crescimento médio do PIB (segundo governo Dilma) = 0,9% ao ano.

10 pensamentos sobre “Meia Década Perdida: 2014-2018.

  1. Caro Monsueto,

    Acredito que o título do seu artigo deveria ser ” década ” perdida. Ou melhor mais uma década…perdida. sou da geração da década de 1965, ou seja vivi toda a situação da década de 80!!!
    O que temos pela frente neste país, não será assim tão fácil de sairmos haja vista o grau de incertezas em várias frentes.
    Mas somente o tempo deverá ter a palavra final.
    Admiro muito seu trabalho.

    abraço,

    Salvador.

  2. A minha previsão é:
    2015: -2,0%
    2016: -0,7%
    2017: 0,5%
    2018: 1,2%
    Baseado em que? Na capacidade de destruição dos petistas e, com otimismo, na renúncia de Dilma em 2016 (se não, a coisa fica ainda pior).

  3. A “república sindicalista”, bem como a criação da Petrossauro é do Getúlio (70 anos). O caos da segurança no Rio é resultante da criação de Braília (50 anos). O crescimento da estatização – 274 empresas – é dos militares (40 anos). Os 16 anos do PT provavelmente terão conseqüências negativas por várias décadas.

  4. Aproveitem que ainda temos Confins, Guarulhos, Brasília e RJ que tem aeroportos internacionais e ainda com vôos regulares para fora.

  5. Só meia década perdida?
    Lembrando que o crescimento do PIB em:

    2011 – 2,7%
    2012 – 0,9%
    2013 – 2,3%
    2014 – 0,1%

    A velocidade de crescimento da renda per capita já havia sido reduzida no 1º mandato da “simpática”.

  6. Há muito tempo que o Brasil não consegue crescer direito, e quando o fez, foi graças à demanda da China, não por mérito próprio. Os companheiros anacrônicos, e seus economistas aloprados, conseguiram produzir inflação em alta, crescimento negativo, déficit fiscal e de transações correntes, desemprego, desvalorização cambial e outros problemas, sem mencionar a corrupção imensa, a deterioração moral, o desmantelamento institucional, ou seja, nos deixaram mais pobres, mais desorganizados, mais descrentes da política. Pode até ser bom, para começar um processo de correção das anomalias petistas, mas o povo brasileiro não merecia passar por tanto sofrimento.

  7. Enquanto isso foi aprovado ontem aumento de 78% de salário para servidores do judiciário. É a farra do boi em plena recessão. Aonde vamos parar ? No Senado, todos os partidos a favor, só o Gov contra, mas depois parece que jogou a toalha.

    Servidor nível médio já ganha mais de R$ 5 mil, sem contar recessos vários, emendas e fora que nao trabalha 40 horas por semana. Qual auxiliar administrativo da iniciativa privada ganha isso ?

    Enquanto não mudarmos no Brasil essa mentalidade “fiscalista” em detrimento da “produtivista” e também de querer ficar gerendo emprego público bom para bacharél vamos ficar rodando e não vamos nos desenvolver substancialmente.

    • Tens toda razão, mas governo ontem dormiu nesta matéria. Conversei com vários senadores que estavam preocupados com impacto fiscal da medida e me pediram para ver se os argumentos dos que pleiteavam o aumento era correto e o custo fiscal. Para a minha supresa me falaram que não havia no plenário representantes do min da Fazenda e Planejamento. Liguei para os ministérios e fui informado que no estavam preocupados pois havia um acordo com o presidente do Senado para retirar a mat;era de pauta. Se havia esse acordo não foi respeitado e, no final, todo mundo votou a favor. Impacto anual será de R$ 10,5 bi ir por ano – uma despesa extra que reduzirá substancialmente o esforço fiscal feito até o momento. As coisas vão piorar ainda até que todos passem a ter a real dimensão dos problemas e sente à mesa par atentar desenhar uma agenda positiva. Mas ajnda estamos longe disso porque muita gente no governo e no PT ainda acha que a forte entrada de IDE no Brasil é sinal que estamos no caminho certo e, assim, não é preciso mudar muita coisa.

  8. Quando olhei que “se reelegeram aí” concluí que a era Rousseff será de estagnação econômica e inflação alta. Quem está na classe C corre o risco de voltar a pobreza, infelizmente. Será uma era de aumento da desigualdade social e concentração da renda.
    Aliás, por que o PSDB não pegou esse gancho na campanha eleitoral? O PT está há 12 anos no poder e não reduziu um milímetro que seja da desigualdade da renda!

Os comentários estão desativados.