Fogo amigo do ex-presidente Lula

Eu não paro de me surpreender com as declarações do ex-presidente Lula. Além do presidente ter causado na terça-feira da semana passada um ruído desnecessário ao irritar o PMDB e dizer que o partido na Câmara estava querendo retirar direitos dos trabalhadores com a aprovação do Projeto de Lei que regulamenta a terceirização, o ex-president Lula falou hoje em evento no ABC que:

“Foi um erro ter feito isso (a mudança no seguro desemprego) por Medida Provisória.  Devia ter chamado o movimento sindical e feito um acordo” – ver aqui.

De fato foi um erro. Mas se um aliado da presidente fala isso, ele está dando uma excelente justificativa para que aliados e oposição votem contra o pacote de ajuste fiscal – MP 664 e MP 665. O senador Aécio Neves havia criticado exatamente esse ponto em entrevista que deu à revista Veja na edição de 21 de janeiro de 2015:

“Há um equívoco com relação ao instrumento utilizado (Medida Provisória). As medidas deveriam passar por amplo debate na sociedade e no Congresso.”

Há muita gente que acha que o PSDB deveria não apenas votar a favor, mas ainda defender algumas das medidas de austeridade fiscal. Acho cada vez mais difícil e  improvável porque o histórico do PT é demonizar todos os outros que votam a favor ou conta propostas do governo e posar de o “salvador da pátria”, o único partido que  se preocupa com os trabalhadores. Confesso que a postura do PT nas eleições e as falsas promessas foram tantas que deixou fissuras difíceis de consertar.

Uma coisa eu tenho certeza. Acho que a grande maioria das pessoas ainda não se dau conta do tamanho da crise. Depois de quatro meses, a conta mais clara do ajuste fiscal foi uma queda real do investimento público do governo federal de R$ 10 bilhões, queda real de 35%. Se a equipe econômica cortar R$ 30 bilhões do investimento este ano em relação aos R$ 77 bilhões pagos no ano passado, isso significa uma economia de 0,6% do PIB – metade do ajuste fiscal proposto.

Mas essa formula não funciona no próximo ano, pois não será possível cortar novamente o investimento e a meta de primário é ainda maior:  2% do PIB. Assim, no próximo ano, o governo terá um novo problema. E para tonar tudo ainda mais incerto, nos cálculos que fiz hoje a receita primária de abril e do primeiro quadrimestre do ano foram ruins. O governo além de ter arrecadado menos que nos primeiros quatro meses de 2014, arrecadou menos também que no mesmo período de 2013 (o dado oficial pode mostrar um empate com a receita de 2013).

Não vejo como esse governo conseguirá entregar 2% do PIB de primário sem um grande esforço de arrecadação – leia-se aumento de carga tributária. Mas o que fazer em relação ao pacote de ajuste fiscal? Bom, se formos escutar o ex-presidente Lula, os senadores agora têm um bom motivo para rejeitar as MPs 664 e 665 enviadas ao Congresso se um debate prévio com os trabalhadores como diz o ex-presidente Lula.

Como diria o personagem Gardelón do humorista Jô Soares na década de 80 sobre essa declaração do ex-presidente Lula que é amigo da presidente Dilma: “Amigo, Mui Amigo”.

Captura de Tela 2015-05-12 às 23.42.39

4 pensamentos sobre “Fogo amigo do ex-presidente Lula

  1. Mansueto, o que você acha da terceirização? Nunca me esqueço aqui no banco os funcionários de informática me falnado que a renda deles caiu pela metade quando eles foram terceirizados. Terceirização afinal é bom mesmo? Abraço Hugo

  2. Este Senhor Luis Inácio Lula da Silva, está demonstrado agora que está fora do poder institucional, o seu verdadeiro caráter que não passa de uma pessoa ignóbil, ignorante, abjeto, asqueroso, torpe e mentirosa.
    O Brasil passa por um momento crucial da sua história, principalmente no aspecto político, onde a grande maioria dos nossos representantes não passa de pessoas inescrupulosas, achacadores, corruptas e desonestas.
    Com esta classe política, o futuro do país, ao que tudo indica, não é muito promissor.

  3. O governo tem sido irresponsável a anos. E a oposição também. Apesar de trazerem bons discursos sobre responsabilidade fiscal, os líderes da oposição nunca efetivamente tentaram barrar os aumentos de gastos (o único partido que votou contra a isenção na folha foi o PSOL). Agora, mostram novamente que não estão comprometidos com um projeto de país ou com algum tipo de agenda que não seja o extermínio do adversário. Balançam o barco no Congresso, permitem que Cunha, Renan e outros monstros se cacifem cada vez mais, dão vazão a um macartismo cretino.

    Pior, nem podemos dizer que seu exemplo é de responsabilidade fiscal. Minas está quebrada, São Paulo está fechando fundações e cortando fundos das universidades e o Paraná está simplesmente raspando o tacho da previdência dos servidores para pagar custeio- ainda não vi os economistas sérios se manifestando contra essa absurda quebra de contratos.

    Os economistas e formadores de opinião responsáveis se insurgiram lá atrás contra essa heterodoxia maluca do Arno, com razão. Agora chegou a hora de apontarem também as inconsistências de nossa oposição.

    • Qual o dado real que mostra que Minas está quebrada? Pelo conceito do abaixo da linha, foi o estado com maior superavit primário ano passado. Ou não? acho que em geral nos últimos anos todos os estados pioraram primário. Mas nem todos fizeram truques como o governo federal.

Os comentários estão desativados.