Resultado Fiscal do Governo Central – Março de 2015

Hoje foi divulgado o resultado primário do governo central. O resultado foi um pouco pior do que o esperado mas sem muitas surpresas. Em março, já se nota uma forte queda da despesa em relação ao mês anterior, mas não há muito o que comemorar e depois explico porque. Antes tenho que explicar para meus clientes. O que vale destacar são praticamente quatro pontos.

Primeiro, a queda real de 4,4% da receita liquida do Tesouro no trimestre não chegou a ser supresa. Foi exatamente esse o numero que cheguei há quase um mês atrás quando escrevi uma newsletter para clientes. O governo sofreu com a queda real das receitas de contribuições, dividendos e royalties.

Segundo, no trimestre, a queda real de despesa do governo central em 0,8% é uma noticia positiva, mas, novamente, nenhuma supresa. Eu trabalho para o ano com uma queda real perto de 4% para a despesa e, pelas minhas contas, nem assim governo cumpriria a meta do primário com o que já foi anunciado.

Terceiro, a grande economia do lado da despesa veio do forte corte real do investimento público em 30% no primeiro trimestre do ano como antecipado aqui neste blog no post do dia 08 de abril de 2015 (clique aqui). No ano será a mesma coisa. Espero corte do investimento na casa de R$ 30 bilhões, uma redução de 40% a 50% do investimento no ano como ocorreu em 1999 e 2003, anos de aumento do superávit primário. Claro que cortes dessa magnitude depois são revertidos, por isso será até mais difícil cumprir a meta de 2% do PIB para o próximo ano.

Quarto e último ponto, o resultado primário acumulado no trimestre teve uma queda real de 67,6%, passou de R$ 14,4 bilhões no primeiro trimestre de 2014 para R$ 4,6 bilhões no primeiro trimestre de 2015. Até o final do ano, o governo central precisa de superávits mensais na casa de R$ 5,5 bilhões para cumprir a meta prometida para o ano. Em um ano de queda de receita é um numero muito ambicioso e difícil.

Vou parar por aqui e depois dou mais detalhes, depois de discuti-los com os meus clientes que receberão entre hoje e amanha uma analise mais detalhada, inclusive com a explicação das reservas que tenho em relação a queda da despesa em março. E por sinal, em abril, o primário tende a piorar e vocês sabem porque.

5 pensamentos sobre “Resultado Fiscal do Governo Central – Março de 2015

  1. Pingback: Gestão pública: mais uma área em que Dilma falha miseravelmente – BLOG DO MUNHOZ

  2. A coisa que mais me dá raiva é o governo usar o meu dinheiro do FGTS para tapar rombo. Se tivesse uma saída legal pra isso, uma ação civil pública para barrar o uso da minha grana (e de todo mundo) na boa, não pensaria duas vezes em utilizá-la!

    • Nelson,
      Eu penso que poderíamos ter o direito de aplicar o FGTS para comprar títulos do tesouro por exemplo.
      Pq o Eduardo Cunha não propõe algo assim?

Os comentários estão desativados.