Debate Fiscal ao vivo – GloboNews às 23:00 hs.

Hoje à noite, dia 31 de março de 2015, vou estar no programa Entre Aspas da jornalista Monica Waldvogel  junto com o economista Samuel Pessoal na GloboNews,. Vamos falar sobre o resultado fiscal divulgado hoje e o ajuste fiscal em curso. Quem dormir tarde está convidado para assistir. Quem estiver no exterior pode assistir via internet de graça – pagina da GloboNews programa Estre Aspas.

Abs, Mansueto Almeida

4 pensamentos sobre “Debate Fiscal ao vivo – GloboNews às 23:00 hs.

  1. Mansueto;

    Pode, uma andorinha – Levy – só, fazer verão?
    Torna-se bastante claro que o problema esta nas despesas e estas não foram atacadas de forma contundente.

  2. Eu li seu artigo no Estadão e várias coisas me chamaram a atenção: a progressão negativa nas contas de juros (o que eu acredito que deve piorar ainda mais) e e o crescimento exponencial dos déficits no resultado primário.
    Honestamente falando acredito que o BR não escapará de um downgrade esse ano. A esperança de um ajuste fiscal (aquele que não precisava!) repousa justamente em um ministro, portanto, é muito tênue.
    Mas um trecho me chamou a atenção:”A boa notícia é que o governo tem feito esforço para mudara dinâmica do crescimento de algumas despesas e, assim, controlar o aumento do gasto público permanentemente”.
    1º) Importante lembrar que pelo idos de 2006 houve um debate sobre déficit zero nas contas públicas. Levy propôs um plano para adequar o crescimento dos gastos correntes, principalmente. Teve apoio de Palocci para isso. E quem se opôs? Ahhh! Dou um fardo de Fandangos pra quem acertar!
    Dou uma dica: A pessoas é mulher, sexagenária e disse a seguinte frase: “Gasto corrente é vida!”
    Levy insurgiu-se e rebateu esse argumento primário afirmando que precisávamos decidir se eternamente discutiríamos sobre aumento de salário mínimo e aposentadorias ou se preferiríamos discutir uma forma para crescer como a Índia ou a China. O final dessa história todos sabem. Levy saiu e a “esperta” ficou no governo.

    2º) Li no jornal de hoje em manchete garrafal que Levy admite criação de imposto. Sou visceralmente contra essa ideia por, pelo menos dois motivos:
    1º) Aumentará a carga tributária inviabilizando ainda mais a atividade econômica.
    2º) A criação de receita que certamente correrá o rastro da CPMF (talvez com outro nome simpático como CSS- Contribuição Social para a Saúde) certamente trará um grande ganho de arrecadação. O próprio governo em 2007 dizia que arrecadava R$ 40 bi com a “contribuição provisória permanente”. O meu receio e da torcida do Flamengo e do Corinthians é que esse aumento de receita justifique mais gastança e “políticas anticíclicas”, como dizia a senadora paranaense Gleisi Hoffmann. Sou visceralmente contra esse tributo e a oposição e o PMDB deveria se articular pra derrubá-la. Que o Brasil não cresça e viva em inflação alta até 2018 pra aprender a escolher direito!

    • Opa o trecho que transcrevi é do Estadão nesse “sugestivo” dia de 1º de Abril de 2015
      Não me processe!
      Sugestivo pois ontem um certo ex-presidente também ficou “estarrecido” com a corrupção. Não necessitávamos de um ajuste fiscal em outubro e agora precisamos, mas nem por isso, esse tal ajuste não está sendo executado, mesmo com a forte deterioração fiscal.

Os comentários estão desativados.