Mantegada: Primário de 2% do PIB para 2015

O ministro Mantega conseguiu junto com a sua chefe a proeza de, em três anos (2012, 2013 e 2014), levar um superávit primário de 3,1% do PIB em 2011, para um superávit primário negativo (quando se descontam os truques contábeis), em 2014.

Mas esse mesmo ex-ministro agora promete um esforço fiscal considerável, uma meta de primário, de 2% do PIB para 2015 (da agência broadcast):

 “Para 2015, o ministro disse que é possível ter um superávit primário de 2% do PIB, mas destacou que o governo está fazendo as contas. “Vamos avaliar melhor, inclusive, a partir desse comportamento da economia. O que melhora o primário é o crescimento maior da economia e, nesse segundo semestre, está havendo crescimento maior da economia”, afirmou. Mantega disse que a retomada da atividade econômica ajudará o ano que vem. “Podemos entrar 2015 com a economia se recuperando, com taxa de crescimento maior e isso vai ajudar a ter um superávit primário em torno de 2% do PIB”.

Mantega está sendo duplamente irresponsável. Primeiro, não será ele a ser responsabilizado por não entregar o que está prometendo. Segundo, a tendência do próximo ano é que a despesa cresça mais uma vez acima do crescimento do PIB como ocorre desde 2012. Isso mesmo que o governo continue não pagando os subsídios creditícios no âmbito do PSI/BNDES.

No próximo ano, a correção real do salário mínimo será de 2,3% para um crescimento do PIB que será menor que 1%. Logo, a tendência é de queda do primário que o governo poderá tentar mudar cortando pela metade o investimento público, aumentando IOF, CIDE e IPI.

Mesmo com tudo isso não entrega um primário de 2% do PIB. Todas essas maldades (com o corte do investimento em 50%) produzem uma economia de 1% do PIB e parte será revertida pelo efeito aumento real do mínimo na despesa. Como então será possível alcançar uma meta de 2% do PIB? Só há duas opções: (1) truques contábeis; (2) recriação ainda este ano da CPMF.

Impressionante como o governo está perdido e como promete coisas absurdas. Se o governo quer se comunicar de forma séria com o mercado deveria prometer um primário que seja possível alcançar no próximo ano sem truques e uma recuperação gradual até 2017, pois será muito mais fácil um aumento maior do o primário em 2016 e 2017, quando a correção real do salário mínimo será próxima de zero dado o baixo crescimento do PIB deste ano e do próximo, do que um forte aumento do primário em 2015.

5 pensamentos sobre “Mantegada: Primário de 2% do PIB para 2015

  1. Mansueto,

    concordo plenamente que e necessario um plano de ajuste fiscal gradual ou seja do medio prazo. E que deve ter credibilidade por ser baseado em contas fiscais transparentes.

    E isso que tem sugerido o Otaviano Canuto (http://oglobo.globo.com/economia/meta-fiscal-podera-ser-plurianual-diz-brasileiro-consultor-do-banco-mundial-14136187)

    e a gente no FT beyondbrics:
    “The new administration must set a direction early, ideally with a multi-year plan of fiscal consolidation that begins with a focus on transparency.”
    http://blogs.ft.com/beyond-brics/2014/10/27/guest-post-5-steps-to-kick-start-brazil/

    Abs.
    Cornelius

  2. Vamos por partes:
    1) Mantega deve ter cursado ciências econômicas na Venezuela, Cuba, Bolívia ou então no Equador. Não sei se fez mestrado e doutorado. Se fez, com toda certeza foi em algum dos países citados;
    2) Mantega deveria ficar calado e não ficar dizendo besteiras para deixar o mercado mais inseguro e nervoso:
    3) Mantega está demissionário. A presidenta atual deveria mandar ele e o Mercadante ficarem de boca fechada; e
    4) Tem alguma coisa que me diz que os próximos anos serão política e economicamente difíceis .

    • Ah o Mercadante… Hoje ouvindo a voz do Brasil, o Mercadante falando… era uma frase, um devaneio. Sem contar o novo “plano infalível” (sdds cebolinha) para incentivar o crescimento da indústria que mais parece uma piada sem graça alguma. Vão criar grupos ministeriais para estudar os gargalos do Brasil e apresentar propostas, e aí vem o pacote de incentivos número 25 dos últimos seis anos, agora vai, agora a indústria vai voltar a crescer.

      Não tem como algum investidor estrangeiro sério considerar o Brasil. Só especulador mesmo, é só pra isso que serve o Brasil. Lucro rápido e fácil, e no primeiro espirro, tchau.

  3. Do jeito que as coisas andam, tenho certeza de que na próxima volta ciclista da França, os pedaleiros da equipe econômica do atual governo ganharão mole e mole aquele evento. Eh muita cara de pau do Mantega. Será que ele não tem vergonha do que fala?

Os comentários estão desativados.