Pedido: vamos deixar a raiva de lado

Caros, vou fazer um pedido pessoal. Sabemos que a campanha eleitoral não foi muito boa e que o marketing do PT utilizou excessivamente da estratégia de desconstrução dos adversários. Achei um absurdo o que se fez com o senador Aécio Neves e com Armínio Fraga, Marina Silva e Neca Setubal.

Mas peço para tentarmos reduzir os comentários contra partidos políticos e pessoas. Vou tentar fazer o mesmo. Assim, vamos ser cuidadosos no tom dos comentários, respeitar opiniões diferentes e aceitar o contraditório.

Precisamos ter total liberdade para discutir de forma civilizada e aberta porque os desafios do Brasil são grandes. A nosso favor conta o fato de sermos institucionalmente muito mais avançados do que qualquer um dos outros BRICS e, isso, ajuda na solução dos nossos problemas. Mas estamos iniciando um período difícil.

O que será o governo Dilma? não sei porque, por enquanto, tenho mais dúvidas do que respostas e há muitas especulações de nomes e fatos nos jornais que não se confirmaram. Eu torço para que a presidenta nos surpreenda positivamente, mas não tenho afinidade com a visão de política econômica da equipe econômica.

Vamos evitar ataques aos partidos e ataques pessoais. Eu próprio vou ter mais cuidado da forma que falo e escrevo. Obrigado a todos por lerem o blog. Vou tentar torná-lo menos chato e mais interessante. Abs, Mansueto

29 pensamentos sobre “Pedido: vamos deixar a raiva de lado

    • Não. como poderia ser enquadrado se hoje estou fira do serviço público? Em geral, dentro ou fora do serviço púbico sempre falei o que penso. Mansueto

      • Mansueto, então continue assim, enquanto concordo com as recomendações que você fez, como um certo chamdo à razão. Mas, sabedores de como as coisas se dão, esse escândalo do “petrolão”, será a pedra de toque do governo, para mostrar sua “eficácia investigativa, como nunca antes na história deste Pais”.
        A gestão política e mercadológica do governo já estão incorporando como seus os sucessos da PF e do MP, na destruição desta ação perniciosa ao Brasil.
        Assim, não podemos deixar que eles deitem e rolem, com base em sucessos que não são deles.

  1. Nem eu entendi, vc ia tão bem com os seus comentários e muito sensato mas eis que aparece um cidadão e diz que vc agrediu o ofendeu…coisa de PTralha mesmo. Aff.

  2. Então, para discutirmos sobre fatos, pergunta (me perdoe se vc já explicou isso aqui, mas sempre fico em dúvida):

    – Se o nosso arranjo fiscal é ruim, porque nossa divida liquida é de 35%? Em outras palavras, isso é pouco, médio ou alto? Existe truque na hora de calcular esses 35%?

    Veja que não estou nos comparando com outros países a priori (em tese, nosso número comparado à outros países é ‘bom’, será?), pois não sei em que medida isso ajuda para entender nosso real contexto.

    Ps.: Espero que vc tenha tirado da cabeça parar de escrever no blog. Não dá para não ler vc mais, lembre-se disso!! =)

    • O número em si é bom porque é baixo em relação ao PIB. Mas o custo da dívida que é alto e é calculado não em relação à dívida líquida, mas sim em relação à dívida bruta, que é maior. Outro problema é que a situação fiscal atual corrente (deste ano) não é boa. O Governo precisa implementar um plano, a meu ver, de médio prazo, uns 2 anos, de retomada de superávit primário de 1 a 2,5% do PIB, de maneira gradual, para recuperar a credibilidade e pode manter a estabilidade da dívida pública. Paralelamente, precisa implementar mudanças tributárias, principalmente com simplificação de tributos, diminuição de burocracia e melhora de marcos regulatórios que incentivem investimentos, principalmente em infra-estrutura e saneamento básico.

      • Obrigado Daniel.
        Então:
        – A divida liquida é calculado retirando-se os custos com juros, é isso?
        – O número sobre a dívida bruta é qual, vc sabe?
        – E, agora sim, comparando divida bruta e liquida com outros paises, a nossa é boa igual falam?

        []´s

    • A dívida líquida é calculada em relação ao débito consolidado, que seria a dívida total menos os ativos (aplicações financeiras, reservas cambiais, etc).

      A dívida bruta brasileira está um pouco acima dos 60% do PIB. Pode não parecer muito, mas ela pode disparar rapidamente em caso de deterioração (o que já está acontecendo).

      Além disso, tanto nossa carga tributária quanto nossa dívida é alta para padrões de emergentes. É boa em relação aos países desenvolvidos, mas lembre-se que a Espanha tinha uma relação dívida/PIB melhor que a nossa e não demorou nem 4 anos para chegar aos 100% do PIB em dívida.

      Outra coisa, embora o Japão tenha uma proporção dívida/PIB de uns 250%, ele paga apenas 1% do PIB em juros. Nós com 60% pagamos 5,5%.

      PS: Usei os números que lembro de cabeça.

      • Valeu cara, sua memória tá boa pra caramba.

        Entrando na seara da comparação:

        – Ontem o ministro da casa civil, no programa da Miriam Leitão, usou sempre a comparação com países do G20 para afirmar que nossa posição fiscal é boa e melhor que a deles.
        – É justo nos compararmos (de maneira geral) com que tipo de países? Em tese, grandes economias emergentes? Índia, China, Russia?

        []´s

  3. Mansueto, se me permite, vou na mesma linha que o comentarista Daniel invocou no post anterior. Acho que os seus últimos posts (e me refiro aos últimos 2-3 meses), e alguns bons argumentos, tem se deixado tensionar demais, elevando o tom além do que convém ao debate civilizado, como, de sempre, caracterizou esse espaço.

  4. Mansueto,

    Acho que você sabe que seu blog é bom, e não carece se tornar menos chato ou mais interessante.

    Eu não tenho visto nele muita agressividade. A menos que você tenha moderado muita coisa, isso a gente não vê. Não podemos confundir partidarismo e opiniões colocadas de forma incisiva com agressividade. Nossa cultura é engraçada, do mesmo jeito que se agride com a maior desenvoltura, facilmente se fica melindrado com qualquer crítica um pouco mais contundente.

    Enfim, esse clima eleitoral há de passar.

    Sabíamos que, independentemente de quem ganhasse as eleições, teríamos tempos difíceis pela frente.

    Legalmente (e legitimamente) o governo ganhou. Na prática, a diferença foi tão pequena que podemos dizer que o voto popular foi no meio a meio. Ou seja, metade do Brasil achou que teria um futuro melhor com o atual governo, metade achou que deveria trocar pelas propostas da oposição. Cada um pode ter uma opinião sobre que metade estava certa, e no fundo não se pode ter certeza absoluta quanto ao futuro.

    Abstraindo dos méritos de cada lado, o que eu acho triste nessa derrota da oposição: se tivesse ganho, agora estaríamos imersos em um clima de otimismo (justificado ou não), de expectativa, de esperança até, de análise curiosa das novas pessoas que assumiriam os cargos do poder.

    A reeleição nos trouxe de volta ao marasmo e ao pessimismo. Uma pena.

  5. Tudo de errado na nossa visão ter que ser escrito, falado atacado e como vemos em termos de politica econômica parece que estão mais errando que acertando. O próprio Nelson Barbosa quando confrontado com o Arminío Fraga diz que o governo do PSDB entregou com mais de 12% de infração e agora temos 6,5% como isso fosse normal embora no teto do índice de tolerância. Então viva o crescimento quase zero, inflação controlada no teto, contas publicas em frangalhos, contabilidade criativa, equipe econômica desacreditada por investidores, empresários, contratos não cumpridos, setor energético desorganizado e a volta dos 20% concedido de desconto com juros e correção. Enfim vamos para o debate civilizado e o governo que nos diga como vai atual consertando o abacaxi que produziu para ele descascar.

  6. Parabéns pela postura do texto Mansueto, apesar de não concordar com o conteúdo, entendo que você participou da campanha, do outro lado, tudo bem. Pretendo continuar lendo seu blog e comentando e também tentarei evitar o confronto por aqui, na medida do possível. Este é dos melhores blog sobre finanças publicas, não deixe perder isso.

  7. Mansueto, é evidente que estas eleições deixaram marcas profundas, pois a descontrução da personalidade de alguns candidatos atingiu as barras da loucura e apimentou demasiadamente e desnecessariamente o pleito. Eu estou começando a entender um pouquinho sobre finanças públicas através do seu blog. E confesso, estou muito desiludido com o que está acontecendo e com o que está por vir. Você tem demonstrado que tem lado e que conhece do que está falando. Então, não vejo nos seus comentários qualquer ataque cruel e covarde a o PT ou a presidenta, mas sim a exposição de fatos que vão ao encontro da realidade que vivenciamos no dia a dia, nas padarias, supermercados, lojas diversas, no cafezinho, etc. A vida é mesmo engraçada, algumas pessoas (partidos, marqueteiros, militantesetc) se lançam no campo de bataha e, de forma covarde e vil, implementam seus planos de combate diabólicos para destruirem as pessoas e suas famílias. Após a destruição em massa, eis a vitória. Agora, vitoriosos, entendem que os vencidos estão sendo agressivos e andam às turras com os pobres e inocentes vencedores. Jogaram gasolina na fogueira e agora querem que a oposição seja o bombeiro. É prá frente é que se anda Mansueto. Tamus junto.

  8. Prezado Mansueto,

    sigo um pouco na linha de comentário feito em 12/11/14 as 5:50. A eleição deixou marcas profundas decorrente, entre outros aspectos, de uma estratégia deliberada por parte do PT. Marina optou por não responder e sabemos a historia. A resposta possível aos ataques foi a oferecida pelo PSDB, mas o agressor foi o PT. E até o momento, não fez nenhum gesto crível de conciliação. Cabe ao agressor pedir desculpas, não ao agredido. Quem incendiou as pontes que as reconstrua. Creio que a reconstrução virá pela dor, quando a inadimplencia das empresas se converter em falências, já em 2015

  9. Se você vai se preocupar agora, Mansueto, com os acólitos do PT “pautando” seu espaço, está perdido. É uma turma que vem de mansinho, “o tom está meio agressivo”, etc. A estratégia é conhecida. Toda vez que você criticar uma ação deles, será chamado às falas, dirão que está atacando, está exagerando. No limite, você pode sofrer retaliações, até profissionais.

    Sua investigação sobre o programa de fomento rural foi excelente. Bobona foi e é a oposição achando que poderia realizar um debate eleitoral racional, que o PT não compraria o que fosse necessário comprar para se manter no poder. Compraram até a mais, para garantir, ainda por cima com dinheiro dos outros. O golpe eleitoral perfeito e a oposição nem percebeu. Profissionais no uso e manutenção do poder.

    Para mim o que você está dizendo e como está dizendo não tem nada de errado. Está claro e reflete perfeitamente a realidade. Triste seria você se auto-censurar por causa dessa turma, a menos que venha a correr riscos pessoais ou profissionais.

  10. Caro Professor, realmente já era hora do basta. Fiquei surpreso com algumas colocações sua no blog antes dos 40 dias antes das eleições. Não pelas suas posições como técnico e conhecedor que é, mais, alinhou o técnico em favor do candidato sem observar o contraditório. Deixei de ler, com todo respeito. Sou fanático pelo contraditório e menos pela paixão. Não participo com nenhum comentário que denigre o pensamento do outro. A divergência é a semente da melhoria. Forte abraço.

    • Permita-me discordar, caro Nairson. O Mansueto, logo de início, abriu que seria parte da equipe econômica do presidenciável do PSDB. E suas críticas depois disso, continuaram a seguir o tom técnico, com análises do contraditório, sim. O problema é que o partido do governo e apoiadores, não querem apenas que o contraditório seja aceito, mas querem a submissão de todos às suas determinaçãoes e teses. Essa é a diferença.
      Agora, pergunto: como pode ser assim, se o que foi feito na economia até agora não poderá ser corrigido nos próximos 4(quatro) anos?

    • Aliás, Carolina Santos Lages, a diferença foi de pouco mais de 3 milhões de votos de diferença. O governo everia saber que há uma massa de cidadãos descontentes. E aqui, uma massa de cidadãos discordando verdades, sem ficção”bricnianas” e outros sonhos, como o trem bala etc.

  11. Parabéns, Mansueto. De fato a campanha do PT foi muito pessoal (falando de bafômetro e comparando Marina a Jânio/Collor) ainda que o outro lado também tenha feito algumas críticas exageradas também. Está na hora de deixar o partidarismo de lado e criticar a Dilma no que ela deve ser criticada, e elucidar quais são os custos que o Brasil enfrentará em suas escolhas daqui por diante. Questões como gastos com Previdência passaram batido num debate público de baixa qualidade, infelizmente.

  12. Não tem como baixar o tom. A única linguagem que o PT conhece é a própria que ele usa. Basta ver os comentários do Senador Humberto Costa. Todo santo dia ele ataca a oposição ou qualquer um que ouse criticar ou apontar fatos econômicos que saltam aos olhos. Devemos ficar atentos, pois o PT não passa de um bando de insolentes chorões. Ofendem, agridem, xingam, mas quando alguém resolve ao menos levantar a cabeça, logo eles acusam os outros de ofender, xingar e agredir.
    Tenha em mente, Mansueto. Apenas pelo fato de você escrever a realidade, eles o acusarão de toda sorte de impropérios. Siga em frente. Nada de mudar o foco. É isso que eles querem. Apontar fatos, para o PT, é ter ódio, raiva, não gostar de pobre. Não caia nesse tru

  13. Mansueto em que pese a sua serenidade tenho poucas esperanças. Talvez tenhamos mais do mesmo. Infelizmente apenas quando estivermos em um cenário crítico os fatos se sobreponham aos mitos. Quanto a agressividade isso é do ser humano. De toda forma penso que às vezes fazemos diálogos com surdos. Como o debate é permeado por questões ideológicas trata-se de questão de fé, concepção de vida. Um abr

  14. Está plenamente correto Mansueto. Aceito de bom grado este chamdo à razão. Mesmo com a presidente “maquetando” o caso de corrupção na Petrobrás, chmando para si a investigação e a descoberta dos desvios das grandes somas, por pessoas que provavelmente não estavam devidamente administradas em suas áreas. E dizendo ainda que “mandou investigar”, e “que pela primeira vez no Braasil, um caso de tal monta é investigado”.
    Oras, as investigações cabem a órgãso de Estado e não de Governo. A Polícia Federal e o Ministério Público, são órgãos do Estado Brasileiro e não do Governo Brasileiro. Isso é um caso claro de desinformação e referências políticas.
    Porém, creio que sua recomendaçãoes estarão acima desses “gargarejos” políticos e iremos naquilo que realmente também interessa: o futuro do Brasil e de seu povo.
    Parabéns pelo seu discernimento.

    • Mas meu caro, eis justamente o mérito! Temos órgãos de Estado funcionando plenamente a despeito do governo de plantão. Delegados e agentes da PF, com claríssima predileção partidária/ideológica, atuando com pouco ou nenhuma pressão de Brasília, e utilizando-se de maneira inédita, veja só, de uma lei sancionada pela atual presidenta para, queiramos, enquadrar corruptos e, agora sim, corruptores. É por essa e outras que me admiro muitíssimo quando pessoas instruídas me vem falar de ‘bolivarianismo, nessa acepção negativa, com a qual não concordo, aqui no Brasil. Apesar do pesares nó temos sim instituições muitíssimo mais robustas e o PT contribuiu e contribui sim para essa normalidade.

Os comentários estão desativados.