Terrorismo eleitoral

Por anos respeitei aqui os argumentos e contra argumentos do meus amigos do PT e simpatizantes. Há poucos dias cheguei a pedir desculpas quando citei o caso de roubo do governo atual na Petrobras, pois não haviam provas ainda da extensão do roubo e quais políticos e partidos da base aliada haviam se beneficiado e estavam envolvidos.

Mas o que o PT vem fazendo na campanha eleitoral, em relação à proposta de independência do Banco Central e, recentemente, em relação ao pré sal é não apenas desonesto com a população, mas algo totalmente antiético que vai contra a história do partido.

No caso da independência do Banco Central, o partido vende a ideia que isso significa o país ser governado por banqueiros e que isso vai tirar a comida da mesa dos mais pobres. Será que os ” intelectuais” do partido acreditam nisso?

No caso dos investimentos no pré sal e da necessidade de diminuir a nossa dependência de combustíveis fósseis, o governo diz que isso significa não investir em educação e saúde.

Como o PT pede respeito no debate eleitoral, quando passou a adotar uma estratégia populista com o intuito de espalhar mentiras e causar pânico na população?

O partido poderá até ganhar as eleições, mas está aumentando o custo do ajuste e conseguindo formar dentro e fora do setor púbico uma coalizão anti-PT. Hoje, é difícil saber se quem promove essas idéias no partido o faz por maldade, ignorância ou as duas coisas.

Com esse tipo de atitude de promover terrorismo eleitoral, o partido do governo mostra que os fins justificam os meios e que vale tudo para se manter no poder.

Vamos ter daqui para frente uma campanha eleitoral suja promovida pelo partido do governo para assustar as pessoas de menor escolaridade. Uma campanha de mentiras, enquanto deveríamos estar discutindo propostas para o pais. De fato, precisamos de mudanças urgente.

34 pensamentos sobre “Terrorismo eleitoral

  1. O BC independente faz com que reduza a inflação sem um custo aparente, ao contrário do que andam dizendo.
    Os países com BC independente: Suiça tem taxa de juros de 0,250 % e os EUA também com 0,250 %. E o Brasil com seus 11%.
    O índice de preços ao consumidor anual nos EUA é de 1,992 %, na Suiça 0,072 %, e no Brasil, 6,513 %.

  2. Tem uma frase atribuída ao mago da propaganda nazista, Joseph Goebbels, que tem sido seguida com sucesso nesses 12 anos de governo petista:” uma mentira repetida mil vezes torna-se uma verdade ”

  3. Eu creio que a discussão sobre o BC independente é ideológica e deve ser feita. Uma coisa é independência operacional, como é atualmente, outra, é a independência formal, que é o que a Marina defende em seu programa.

    O que a Marina sugere é dar o poder de conduzir a politica econômica a uma pessoa não eleita, é tirar esse poder do Estado, basicamente é isso que a campanha da Dilma têm mostrado, pelo menos é a opinião dela. Mesmo decisões do BC não são sempre técnicas como se supõe, são também decisões políticas e com vieses. Por isso que sempre deve caber aos eleitos os papéis principais. Não se pode dar um poder deste tamanho a um burocrata não eleito, essa é a opinião que o PT expoe, de maneira mais ou menos clara. Do outro lado, alguns acham que BC independente é o melhor dos mundos, são visões diferentes.

    Foi a Marina quem fez essa proposta sem explicar o que seria, na prática. Ela que não aprofundou a discussão, ou seja, ela não QUERIA DISCUSSÃO sobre o tema, essa é a questão. Ora, se fosse para ficar do jeito que está não precisaria propor. Não adianta ela vir agora dizer que todos os paridos são a favor, que “independência” traz credibilidade, etc, coisa que, necessariamente, não é verdadeira.

    Ademais, em toda campanha existem excessos eleitoreiros de praticamente todos os lados. E o que dizer do populismo penal, de rebaixar a maioridade penal (como se isso fosse resolver os problemas da criminalidade), que aliás, é inconstitucional ? É a mesma coisa. E das propostas mirabolantes de vários candidatos, prometendo tudo, mundos e fundos, sem se preocupar com o orçamento ? Recentemente o guru da Marina disse que realinharia os preços da Petrobras e ainda tiraria alíquota zero da CIDE, em outro ponto ele disse que não aumentaria a carga tributária, em duas linhas se desdisse.

    Em eleição vale tudo (ou quase tudo) para SE MANTER NO PODER, mas também vale tudo (ou quase tudo) para TOMAR O PODER.

    Não se enganem.

    • O que Dilma faz na propaganda do PT é mostrar a comida sumindo da mesa do povo por causa da independência do BACEN. E independencia do BACEN não significa que um burocrata vai definir os rumos do pais. BACEN é instrumento para alcançar uma meta fixada pelo CMN – composto por dois ministros e o presidente do BACEN- que segue orientação do Presidente da Republica. Nada impende do Presidente da Republica fixar a meta de inflação em 8% ao ano, ou combinar uma meta da inflação com taxa de desemprego. Mas não é este o debate sério que se vê na propaganda da TV.

      • Eu concordo que é um exagero, mas porque a Marina não desmente ? Ela bota no programa dela e não quer discutir, esse é outro problema.
        Mas também não dá para imaginar que só o Governo mente nas propostas. Todos mentem.

  4. Engraçado nisso tudo é que o PT afirma que a oposição fará um Bolsa Banqueiro. Além de inventar mentiras e não propor nada de concreto para o Brasil, saiu nota em revista de circulação semanal de que Meirelles poderia ser ministro em eventual segundo mandato (TOMARA QUE NÃOOOO!!!!!) do PT. Estou muito preocupado com o futuro do Brasil e não vejo melhora pelos próximos 4 anos. Isso não é pessimismo. Isso é fato! Assim como 2003-2012 foi uma década perdida, 2011-2018 tem tudo pra ser outra década perdida!

  5. Mansueto

    Quem militou na esquerda marxista-leninista teve de enfrentar o dilema da escolha de agir de acordo com os ditames da consciência e, consequentemente, romper com o partido ou calar-se e dobrar a espinha perante o realismo político dos supremos dirigentes.

    A corrosão ética no PT é um fato. Mas sempre haverá quem, no partido e fora dele, pensa em acordo com o que disse Paulo Betti em 2006 : “não dá pra fazer (política) sem botar a mão na merda”.

    Questionado, o ator reafirmou seu realismo político à Folha de S. Paulo: “Não vamos ser hipócritas: não dá para fazer política sem sujar as mãos.”

    Numa atualização do enunciado bettiano: não dá para ganhar eleição sem ativar a política do medo e da mentira.

    E assim o mundo fica perfeitamente dividido entre os hipócritas “udenistas” e “neoliberais” e os sinceros realistas amigos do povo.

    Duas considerações a respeito do PT e o rent seeking e do PT e a propaganda política.

    1. O PT, no executivo federal, não aprofundou essa característica rent seeking do capitalismo brasileiro. O PT tornou-se cúmplice desse capitalismo e a essa cumplicidade deu o nome de realismo político.

    2. Na propaganda, o PT opera com maestria e eficácia a lógica terrorista do coronelismo, das oligarquias (só lhe dou a dentadura se você votar em mim). Muito antes dos jacobinos, os governos absolutistas exigiam e cortavam as cabeças de quem ousasse falar e agir com liberdade (

    Por último, lucidez e realismo renascentistas como um lembrete para os bem intencionados que, por ideologia, aceitam dobrar a espinha:

    “Por isso é que entre os ladrões reina a maior confiança, no dividir do que roubaram; todos são pares e companheiros e, se não se amam, temem-se pelo menos uns aos outros e não querem, desunindo-se, tornar-se mais fracos.” (La Boétie, que escreveu essa passagem no Discuso da Servidão Voluntária aos 18 anos, em 1536)

      • Dizer que todo mundo faz, é parte do jogo, não melhora em nada as coisas Daniel. O país todo só tem a perder com isso. Usar essa retórica nojenta é chegar ao nível mais baixo. Você deveria ter vergonha de consentir com toda essa palhaçada que o Reich Petista faz para se manter no poder.

      • Não é retórica Thiago, é a realidade que vocês tentam disfarçar ao só imputar a um lado politico os problemas que, na verdade, são de toda a sociedade.

        Mascarar a realidade não vai alterar os fatos. Ser benigno com seus amigos e maléfico com os adversários idem. Ontem mesmo a Marina disse que “os recursos do pré-sal vão para saúde e educação e não para corrupção”. Ou seja, fácil assim, ela vai determinar, por decreto, o fim de toda a corrupção. Mas não importa, isso ela pode prometer que não é mentira e nem “terrorismo eleitoral”, só o PT comete terrorismo eleitoral, não é mesmo ?

  6. O mais interessante é nunca dizem que o Presidente do Banco Central do governo anterior (2002-2010), foi presidente de instituições financeiras dos EUA, 1981 – presidente do Bank Boston Brasil; 1984 – presidente da Bank Boston Corporation; 1999 – presidente de Global Banking (área internacional) do FleetBoston’s Global and Wholesale Bank.
    Agora, ficam alardeando que a presidenciável do PSB é ligada a um grande banco brasileiro e que o BC independente, defendido pela candidata do PSB, seria entregar as finanças brasileiras ao grande capital financeiro nacional.
    Isso é pior do que terrorismo eleitoral. É extremada má-fé, uma aposta na ingenuidade e/ou desconhecimento de parcela significativa do eleitorado brasileiro.
    Se há uma palavra para definir essa tática, a palavra ou expressão seria mentira deslavada.
    Só por essas, não há de colar.

  7. Acho incrível que exista gente que ainda tenta justificar o maquiavelismo petista do século XXI. É o vale tudo eleitoral onde todos os fins (o poder pelo poder) justificam os meios (o diabo, como Lula disse)? A qualidade do debate político praticado pelo PT é antiético, imoral e de um bolivarianismo rasteiro e miserável! E eu não acredito nessa conversa de que hoje o PT/governo age de forma “que vai contra a história do partido”. A história do partido foi contruída sobre um discurso populista, falsamente a favor da ética na política e da honestidade. Esse discurso era parte da farsa, que só os ingênuos não percebiam a partir da prática de sabotagem e destruição que o partido sempre praticou onde pode para tentar desestabilizar os governos a que faziam oposição e inviabilizar as propostas que seriam positivas para o país. Oposição pela oposição, tática do quanto pior, melhor. A tal história do PT é uma grande mentira!

  8. É tão fácil rebater o argumento da “diminuição da comida na mesa”… Basta listar os países mais ricos, onde o BC é independente, e países como Argentina e Venezuela, onde o BC não é independente. Claro que outros fatores concorrem para essas diferenças, e um BC independente não explica sozinho a diferença entre esses países. Mas o BC independente funciona como um sinal da seriedade com que um país trata a própria moeda. Paises que tratam a própria moeda de maneira séria, são ricos, países que acham que dinheiro aceita desaforo, são pobres. Resumindo: BC independente é condição necessária mas não suficiente para um país que se quer sério.

    Uma outra forma fácil de rebater o argumento é simplesmente dizer que Dilma é amiga da inflação, por isso tanto lhe incomoda um BC independente. Um BC técnica torna a vida de qualquer governante irresponsável muito mais difícil.

  9. Você acha realmente que alguém é influenciado por propaganda eleitoral?
    O PT só está crescendo nas pesquisas porque a mídia perdeu os programas de rádio e TV no horário nobre que antes era só crítica. É só pararem de falar que a realidade se impõe.
    Ninguém em sã consciência assiste esse lixo.
    Com a TV desligada, o eleitor olha para a geladeira nova e esse é o cabo eleitoral que se deve combater. Se o cara abre a geladeira e tem comida lá dentro, voto garantido.

    Quanto ao debate, uma pergunta: você é contra ou a favor da autonomia do BC?

  10. Eleitores de menor escolaridade, Mansueto? Você não tem idéia do quilate de conhecidos que tenho defendendo essas falácias. E não compraram diplomas como a candidata deles não!!!

    • Até ataques infundados o pessoal se utiliza. A presidenta agora “comprou diplomas”, Que coisa absurda. O candidato dele asfaltou pista de aeroporto da fazenda do tio e de fazenda próxima a sua, tudo em beneficio próprio, coisa comprovada, mas não interessa né….

  11. Taxa de juros no Japão 0,1%
    Taxa de juros na Inglaterra 0,5%
    Taxa de juros no Canadá 1%
    Taxa de juros do BCE – 0,05% (em 2009 era 1% e veio caindo desde então…)
    Taxa de juros do Fed – 0,25% desde 2.009

    Todos tem BC independente. Que aberração nos juros!!!!!!!!!!!!!!!

    É tanta a aberração que os poupadores locais (bancos, fundos, etc…) precisam aplicar suas economias em um País que não tem banco central independente, ou seja, no Brasil cuja taxa Selic é de 11%.

    • Outra falácia de correlação. O blog do Mansueto é alto nível, principalmente em economia, coisa que ele é especialista. Não precisa desse nível de simplismo para defender a tese dele, que é de BC independente. É uma tese respeitável, como também é a outra, de ficar como está. Mas não precisa de falácias, convenhamos.

  12. Mansueto, você que tem acesso à campanha do Aécio, deveria lembrar ao candidato que acima das eleições está o destino do Brasil. Assim, acredito que em um momento em que o PT usa desta tática terrorista, Aécio e Marina têm que se unir em prol do Brasil e atacar frontalmente estas mentiras!

  13. “No caso dos investimentos no pré sal e da necessidade de diminuir a nossa dependência de combustíveis fósseis”

    Mansueto, como assim?? o Brasil tem uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo. Acho que você sabe disso, então explica melhor o argumento

  14. A minha avaliação geral é que esta é das melhores campanhas políticas de nossa história recente. A Marina está fazendo um bom papel como candidata e serviu para “bagunçar” no bom sentido a polarização PT x PSDB. Estão sendo discutidos diversos assuntos nesta campanha, como o pré-sal, autonomia do BC, questões ligadas a direitos de minorias e limites do Estado Laico, sustentabilidade e desenvolvimento como não me lembro em campanhas anteriores, desde 1989.

    Não adianta termos a ilusão de discussões mais aprofundadas desses temas, coisa que não ocorre em nenhum País do mundo. Para estas existem centros específicos de pensamento. Mas só de serem levantados tantos pontos, ja mostra a relevância do pleito eleitoral.

    Como disse o colega acima, os candidatos devem responder as questões e entrar no debate.

    Tudo indica que Aécio apoiará Marina em um segundo turno, só não sabemos se a candidata vai aceitar apenas um apoio discreto ou vai mesmo se ligar mais de perto ao ex governador de mg.

    Se a Dilma vencer, creio na continuidade das politicas de infra-estrutura, nas políticas sociais, mas também em um maior rigor na questão fiscal, já que ela tem sinalizado mudanças na equipe econômica – provavelmente com a volta do Nelson Barbosa, desta vez como ministro.

    Vencendo a Marina, o futuro Governo é mais incógnito. Espero que ela consiga trazer bons quadros e que faça uma transição suave para a política que deseja em benefício do País. Se for levar ao pé da letra as ideias do Gianetti em entrevista recente a coisa pode não ser boa. Falou em aumentar preços da Petrobras, retomar CIDE e cortar os subsídios. Se for de maneira adequada pode fazer, mas cortar todos os subsídios pode ser bem temerário.

    Caso Aécio vença, ainda que esta hipótese seja mais improvável, a indicação é que o controle do País estará com Armínio Fraga. Aécio tem um bom quadro de gestão, que é Antônio Anastasia, que, pelo menos na minha percepção vem sendo deixado de lado nesta campanha (o que considero um erro tremendo por parte do Aécio), temo que ele não teria todo o protagonismo que mereceria em um Governo Aécio. Quem sabe, neste caso, pelo menos não possam colocar um bom secretário do tesouro e promover uma maior organização contábil em nossas contas públicas, nos subsídios e também no inss.

  15. Mansueto,

    Volto a discordar da sua análise. Há dois lados com bons argumentos na questão da independência do BC, e os dois lados fazem seus argumentos de boa fé. O argumento do PT vai na mesma linha do Stiglitz: um BC independente mais ortodoxo pode sabotar um projeto de crescimento mais robusto, diminuindo o consumo e o poder de compra quando haveriam outras alternativas para controlar o aumento dos preços. O argumento contrário, de que os ganhos da independência superam as perdas, é igualmente legítimo, do ponto de vista lógico.

    Quando os juros chegaram a 45%, temos de concordar que isso significou uma redução generalizada do poder de compra e do crescimento da economia. Foi necessário? Podemos discutir, mas há um bom argumento para dizer que foi uma medida extremada e com altos custos sociais.

    Consigo pensar em exemplos bem mais extremados partindo dos outros candidatos. Mas acho que há sim um argumento nojento sendo usado pela Dilma, que são os ataques à Neca Setubal. Aí tenho de concordar com você que se perdeu o senso de ridículo.

  16. Creio que devo apresentar nesse espaço um texto que achei na internet atribuído aos doutores Guilherme Lacerda, da Unicamp e de Antonio José Alves Júnior, doutor pela UFRJ.Está nesse link:http://jornalggn.com.br/noticia/por-um-banco-central-republicano-por-guilherme-lacerda-e-antonio-jose-alves-jr
    Honestamente, apesar dos autores serem doutores e trabalherem para o governo ( o que por si só gera suspeição), achei fraco e, com o perdão da palavra, de uma desonestidade intelectual ferrenha. Principalmente no trecho em que fala que a francesa Christine Lagarde afirmou que: “é hora de ajustar o controle dos governos sobre os bancos centrais” Mentira e posso provar !
    Em matéria publicada pela emissora portuguesa TVI, no link ao lado:http://www.iol.pt/push/iol-push—economia/fmi-lagarde-precos-bancos-centrais/1557138-6469.html Lagarde afirma:”a necessidade de ter uma «estrutura institucional» que preserve a estabilidade de preços, mantendo a independência dos bancos centrais.” Os três pilares de um BC independente, Lagarde afirma:” ter um mandato claro, um desempenho consistente e um consenso em relação ao objetivo.” Caso o BC busque algo como a estabilidade financeira – como é a moda de dizer que o BC precisa verificar a quantidade de empregos gerados e os salários ( o que é de difícil mensuração e descabido!) certamente o BC fracassaria!.

  17. Gostei muito desse debate. Acho que os comentários foram mais informativos que o texto em si. Sinal que esse é um espaço que chama a reflexão.

    Quanto às decisões do BC, eu gostaria de entender o porque de, pelo fato de os preços do tomate (apenas um exemplo) subirem por um motivo de baixa oferta, que por sua vez foi provocada por fatores climáticos e comportamento de massa de produtores que migram pra outros cultivos, bem como ocorre com diversos outros alimentos; e esse aumento de preço ser apontado como principal responsável pelo crescimento da inflação; e o banco central vai lá e toma medida de aumentar a taxa de juros pra conter essa inflação, que tem como fundamento a redução da quantidade de dinheiro em circulação e que essa medida vai acarretar um impacto de Bilhões nas contas do governo federal para pagar esses juros aos rentistas, Bilhões estes que vão para o bolso de investidores e que na verdade poderiam ser investidos na melhoria da infraestrutura de escoamento da produção visando diminuir o custo Brasil e consequentemente diminuir o custo dos alimentos e por sua vez reduzir, de certo modo, a pressão inflacionária.

    Veja que o aumento dos juros gerou uma despesa a mais pro governo, alimentando o bolso de poucos. Essa “despesa”, se fosse convertida em redução da carga tributária sobre determinados produtos que estão sob condição de baixa oferta, a coisa pesaria menos pro consumidor e pros produtores e o dinheiro que iria pro bolso dos rentistas seria socializado.

    Por favor, alguém me ajude a entender essa situação e me perdoem se falei alguma besteira ou algo que possa ser óbvio para alguns.

    • É situação errada, sem dúvida. Mas os economistas ditos ortodoxos fogem desse assunto. A verdade é que os juros da selic afetam a demanda por investimentos, quando os juros sobem, eles derrubam a atividade economica e é por este canal de transmissão que a inflação tem viés de queda com aumento de juros. Só que inflação não é só de demanda, ela pode ocorrer por problemas de oferta, por contratos (indexação), por cambio, por aumento de custos (insumos, salários) e também por demanda. Tem economista que diz que a inflação de demanda representa algo em torno de 30% da inflação total. É óbvio que, por isso, um aumento de selic tem que ser muito grande para haver uma redução de inflação pequena. Algo com pouquíssima eficiência.

Os comentários estão desativados.