Houdini, Tesouro e Caixa Econômica Federal – 4

O governo deveria estar MUITO preocupado em mandar sinais positivos para o mercado. Ao invés disso, o que se vê todos os santos dias é muita gente declarando em off, na Caixa Econômica Federal (CEF) e no Ministério da Fazenda, o absurdo dos atrasos sucessivos dos repasses do Tesouro Nacional para a CEF pagar benefícios sociais. 

Essa confusão já foi esclarecida e vai diminuir? Não. O Tesouro ainda não explicou porque continua a utilizar o seu “cheque especial” na CEF.  As notas de esclarecimento do Tesouro Nacional partem do pressuposto que as pessoas e os jornalistas não entendem nada de contas públicas e, essas notas, não esclarecem coisa alguma. É um exercício fútil de escrever e não explicar coisa alguma. Prefiro as notas em off do Ministério da Fazenda. 

Nesta quarta-feira, o jornalista Ribamar Oliveira do jornal Valor Econômico, que dispensa apresentação, fez nova matéria sobre o tema (clique aqui), mostrando os atrasos nos repasses do Tesouro para a CEF pagar o seguro desemprego. E, nesta quinta-feria, o Estado de São Paulo e o Folha de São Paulo voltam a cobrir esse assunto. 

Depois vai diminuir? Não. Hoje soube que o próprio Banco Central anda irritadíssimo com este assunto e outros órgãos públicos que fiscalizam as contas do governo também. Que há truque contábil nessa história todo mundo sabe. O que não se sabe é se essas operações, atraso de repasses do Tesouro para a CEF, poderiam ser caracterizadas como empréstimo de um banco público para o seu controlador. Se este for o caso, o debate passa a ser sobre a legalidade ou não dessas operações. 

E como se esta confusão toda não fosse suficiente, li hoje no blog do jornalista Vicente Nunes do Correio Braziliense (clique aqui), que há gente do governo querendo, na eventualidade de um novo mandato da nossa presidenta, partir para a briga com o mercado financeiro: 

A vingança será cruel: Não é de hoje que o Palácio do Planalto está irritadíssimo com o mercado financeiro. Mas acredita que fará muitos analistas engolirem a vitória da presidente Dilma em outubro. Para assessores da candidata petista, nada será mais gratificante do que submeter, por mais quatro anos, bancos e corretoras que têm jogado contra o governo à política econômica dilmista.”

Se na hipótese, ainda remota, de um segundo governo da nossa presidenta a sua equipe partir para uma briga direta com o mercado financeiro, o custo dessa briga será uma elevadíssima taxa de juros e, possivelmente, o nosso rebaixamento pelas agências de classificação de risco.

O governo não esta nem ai? Tolice. Apesar de falar grosso contra o “dinheiro especulativo” o governo, em junho do ano passado, reduziu de 6% para “zero” o IOF sobre aplicação de estrangeiros em renda fixa. Esses investidores (ou especuladores na linguagem do governo) conseguem aqui uma taxa de juros que não conseguem em nenhum outro lugar do mundo. O governo não só estimulou a entrada de capital especulativo, mas reza todos os dias para que o capital especulativo continue jorrando no nosso Balanço de Pagamentos. O mais engraçado é que tem gente no governo que acha que isso é sinal de confiança. 

O governo deve evitar uma briga direta como o mercado no estilo “vocês vão ter que me engolir”. A melhor forma de o governo ganhar a queda de braço com o mercado é melhorar sua comunicação e transparência de suas ações, algo que fez muito bem até 2006. Partir para briga com o mercado é uma estratégia suicida em um país de poupança baixa que precisará de poupança externa para crescer. A vingança será cruel? vingança de quem cará pálida? 

7 pensamentos sobre “Houdini, Tesouro e Caixa Econômica Federal – 4

  1. Dilma e seus assessores não entendem que o mercado não é um ente mitológico supranacional. O mercado somos eu, você e eles próprios. Indivíduos transacionando bens e serviços, bem como investindo recursos na economia nacional.

    Maltratar o capital é, sobretudo, maltratar o indivíduo, que sofre diretamente as consequências destes maus tratos.

    O governo PT nos levará a uma crise bem parecida com a da década de 80.

  2. Esse governo, quanto mais se mexe, mais cheira. Igual um certo tipo de material orgânico.

    O que vale destacar já não são nem mais as operações mágicas que o governo tem feito, mas sim a velocidade assustadora na qual elas estão se multiplicando. Em 2012 quando puxaram uns dividendos daqui, uns trocos do fundo soberano dali, apenas no fim do ano, todo mundo chiou, mas foi só aquilo. 2013 já começaram dividendos, atrasos de repasses, refis, leilões apressados, corte de meta, e tcharam, batemos o primário.

    Mas nesse 2014 o leque de mágicas é tão grande, que simplesmente não tem mais como nem sequer tentar calcular o tamanho do estrago nas contas públicas, pq os números são absurdamente fictícios, maquiados e ocultos, e mesmo assim, fingindo para si mesmo que são números apresentados nos relatórios são “sérios”, eles são horrorosos, como esse 0,7% do primeiro semestre.

    A continuar esse governo, é triste imaginar o que restará do país, daqui a dois ou três anos.

  3. Que história é essa de “brigar” com o mercado? É algo como tentar engarrafar fumaça. Será que estaremos numa arena, o governo de um lado e o mercado do outro? Quem é o “técnico” (coach) do mercado? Ilações de economistas.

  4. Caro Mansueto, nenhum post sobre o debate que rolou na empiricus ? Quais os principais pontos de convergência de divergência entre os representantes de Aécio e de Marina ? Obrigado, abs.

Os comentários estão desativados.