A disputa política ficou mais triste: morre Eduardo Campos (1965-2014)

O Brasil está chocado com a morte prematura e trágica do ex-governador de Pernambuco e candidato a Presidente da República pelo PSB Eduardo Campos. A morte de qualquer pessoa jovem em um acidente é sempre muito dolorosa.

No caso de um político em ascensão, que aparecia todos os dias nos noticiários devido à sua participação na campanha eleitoral, a sensação que se tem é de alguém que era próximo de todos nós e que partiu.

A homenagem que podemos fazer ao político e ao pai de família é seguir o que ele falou em uma das suas últimas entrevistas ontem no Jornal Nacional: “Não vamos desistir do Brasil. É aqui onde vamos criar nossos filhos, é aqui onde temos que criar uma sociedade mais justa….”. Eduardo Campos

Eduardo Campos - Foto Aluisio MoreiraSEI-749572

Foto: Aluisio Moreira

8 pensamentos sobre “A disputa política ficou mais triste: morre Eduardo Campos (1965-2014)

  1. O PNBE Pensamento Nacional das Bases Empresariais manifesta seu extremo pesar pelo falecimento do candidato Eduardo Campos, que representava a esperança de um debate mais qualificado e menos agressivo do que o nós contra eles na campanha presidencial. Eduardo Campos, além de ter sido avaliado como o melhor governador de estado nos últimos períodos, reeleito com 83% dos votos, era um dos políticos da nova geração que vem surgindo com foco no desenvolvimento integrado do país e com ênfase na melhoria da educação. Os associados do PNBE esperam que seu trágico falecimento possa inspirar uma nova era na política brasileira, com mais diálogo, foco no bem coletivo e menos corrupção.

    Mario Ernesto Humberg
    1º Coordenador Geral do PNBE

  2. Concordo com suas palavras. Tive a mesma impressão. Principalmente o sentimento de proximidade. Eduardo suscitava alguma esperança. Não era perfeito como alternativa política, mas via nele algum princípio de carisma. Penso que iria crescer. Estava quase decidido a votar nele. Sinto pela família. Que Deus o receba na Eternidade…

  3. Morre prematuramente uma jovem liderança, com carisma e projeto politico em alto nível. Lamentável para os brasileiros que começaram a tomar conhecimento a pouco dessa figura que fazia politica com P maiúsculo e muito triste para sua família, esposa, filhos, mãe que perdem um ente querido insubstituível e deixará muitas saudades ao povo pernambucano principalmente.

  4. A cada um de nós, reitero, cumpre cercar as margens de erro em busca do melhor destino. Mas há uma arbitragem que não fazemos. Na mitologia grega, as Moiras, três terríveis irmãs, decidiam o destino dos homens e até dos deuses. Cloto, que significa fiar, tecia o fio da vida; Láquesis, que quer dizer “sortear”, enrolava o fio tecido e decidia o que cada indivíduo iria experimentar em vida; e Átropos, cujo significado é afastar, cortava o fio.
    E era o fim. Átropos era o oitavo passageiro do Cessna 560 XL, prefixo PR-AFA.
    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/o-homem-e-sua-hora/

  5. A vida é nosso bem mais precioso e perde-la de forma tão tragica sempre causa perplexidade, ainda mais quando se trata de uma pessoa jovem e cheia de vida. Lamento pelo Eduardo Campos e peço a Deus que conforte a familia nesse momento de dor e sofrimento.

  6. Nada mais a acrescentar.
    “Não vamos desistir do Brasil. É aqui onde vamos criar nossos filhos, é aqui onde temos que criar uma sociedade mais justa….”. Eduardo Campos

Os comentários estão desativados.