Brasil: o país precisa de subsídios? Sim!

Estava há pouco lendo os jornais e me deparo com uma matéria on line do jornal Folha de São Paulo (após crítica de Aécio, Dilma diz que país “precisa de subsídio, sim” – clique aqui)  afirmando que a nossa presidenta defende a continuidade da política de subsídios. Segundo o jornal, a nossa Presidenta falou que: “Subsídio é necessário para o Brasil, sim. Há que se subsidiar vários segmentos. Porque senão não tem obra”.

É preciso qualificar melhor esse tema subsídios. Primeiro, de fato, crédito subsidiado sempre teve no Brasil e vai continuar. Assim, não há a mínima chance de acabar crédito subsidiado seja para o setor agrícola, para o setor industrial ou para infraestrutura.

O debate, no entanto, é um pouco mais complicado. Quanto devemos subsidiar? Devemos subsidiar tudo? E qual deve ser o tamanho do subsídio? Recentemente, por exemplo, o BNDES aumentou o custo das linhas de financiamento do Programa de Sustentação do Investimento (PSI). A taxa deste programa chegou a ser de 3,5% nominal ao ano no primeiro semestre do ano passado. Uma taxa menor do que a inflação de 6% ao ano.

Dei uma palestra para um grupo de Embaixadores da União Europeia no ano passado e um deles ficou assustado quando falei que as taxas do PSI estavam menores do que a inflação. É mais do que subsidio; é taxa de juros real negativa! Até hoje me arrependo de não ter comprado o meu caminhão!

Apesar da afirmação da nossa presidenta de que “o país precisa de subsídios, sim!”, emprestar para todo mundo à uma taxa menor do que a inflação, em um país no qual a poupança do setor público é negativa, é um tiro de canhão no pé.

Segundo, já falei isso 300 vezes e agora vou falar mais uma vez. A fonte de recursos para esses enormes subsídios, que o país precisa!!!!,  vem do crescimento da dívida pública bruta. Isso tem um custo elevadíssimo que até meu filho de três anos já aprendeu a calcular. O governo para se endividar paga taxa de juros de mercado, Selic, que hoje é de 11% ao ano, e empresta o recurso aos bancos públicos cobrando uma taxa de 5% ao ano – a Taxa de Juros de Longo Prazo.

Não por um acaso, qualquer economista com um conhecimento superficial de contabilidade sabe que, a forte acumulação de reservas e o crescimento excepcional de quase 10 pontos do PIB dos empréstimos para bancos públicos desde 2009, explica a excepcionalmente elevada taxa de juros da nossa Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) de 17% ao ano, a mesma taxa  quando a DLSP chegou a ser próxima de 60% do PIB, em 2003.

Taxa de Juros Implícita da Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) -2002-2013 – % ao ano

Taxa DLSP

 OBS: taxa de juros que leva em conta a receita de juros (com reservas e empréstimos para bancos públicos) e o pagamento de juros da dívida bruta. 

O que escutei de um bom economista com trânsito no governo? “Mansueto, não temos como aguentar uma diferença tão grande entre Selic e TJLP. Teremos que aumentar a TJLP.” Mas não dá para fazer isso em uma economia que precisa de muito crédito subsidiado. Concordam? É melhor continuarmos pagando juros elevado e subsidiando alguns setores, algumas firmas ou todo mundo. Que legal!!!!

Terceiro e último ponto, precisamos sim subsidiar mais todo mundo porque o Tesouro Nacional não paga a conta, o que fatalmente se transformará em um esqueleto no futuro e, adicionalmente, o governo inventou um truque fantástico em relação aos subsídios. Eles só passam a ser devidos (não necessariamente pagos) depois de dois anos!!!  Se lembram da Portaria nº 357, de 15 de outubro de 2012 do Ministério da Fazenda, que no inciso III do Art. 7o fala que:

Art. 7o……..

I – ………

II – ……….

III – os valores apurados das equalizações a partir de 16 de abril de 2012, relativos às operações contratadas pelo BNDES, serão devidos após decorridos 24 meses do término de cada semestre de apuração e atualizados pelo Tesouro Nacional desde a data de apuração até a data do efetivo pagamento.

A conta de subsídios será paga no próximo governo via aumento da DLSP e/ou aumento da inflação e/ou aumento de carga tributária. Estou com MUITO medo  que alguns “bons” economistas aceitem uma inflação maior como forma de “pagar” os subsídios e outras despesas do governo que estão crescendo além do que deveriam.

Tolice minha. Subsídio é bom!!! (OBS ESTOU SENDO IRÔNICO) mas me avisem se isso vai continuar, porque se for ainda quero comprar o meu caminhão. Ainda mais porque agora teremos estradas boas construídas com recursos subsidiados e combustível subsidiado. Será que tem subsidio também para comprar carne? Deve ter, porque soube que tem para frigoríficos!!!

Ainda vou ter um desses com crédito subsidiado!!!

foto papel de parede caminhao carreta facebook 1

 

10 pensamentos sobre “Brasil: o país precisa de subsídios? Sim!

  1. Parece que a conclusão de que subsidio é bom foi irônica, pelo que entendi. Mas não ficou muito claro… acho que ironia em assuntos econômicos não combina muito, deve prevalecer a opinião objetiva. Agora, se a conclusão final for o que realmente pensas, parei.

    • Claro que é ironia. Se não encararmos isso com certa ironia vamos ficar loucos. Falar isso de forma seria eu falo todos os dias.

  2. Subsídio se dá por tempo limitado, para uma atividade pioneira que possua justificativa em algumas externalidades ou um caráter social excepcional. Subsídio em caráter permanente, para quem fizer lobby mais efetivo, é apenas um revelador do extremo primitivismo econômico das concepções de governo desse pessoal que está no poder.

  3. No primeiro trimestre de 2014 houve recuo na produção de bens de capital (-0,9%) e de bens intermediários (-0,6%) quando comparados com o mesmo período do ano anterior, o que sinaliza que os investimentos não crescem como se esperava, apesar da política de subsídios do governo federal.
    O subsídio resolve o problema no curto prazo. Ajudou a produção de veículos no ano passado, mas não vai resolver esse ano. E as montadoras continuam batendo na porta do governo pedindo mais benefícios…quando o Brasil vai começar a pensar no longo prazo?

  4. Olha, Mansueto, o praís precisa, sim de subsídios. Mas precisa deles porque durante toda a sua história nossos governantes JAMAIS agiram no sentido de INCVENTIVAR A CONCORRÊNCIA. São 4 operadoras de telefonia, 5 bancos de grande porte, 1 petroleira, 1 mineradora, 3 oiu 4 grandes lojas de departamento e por aí vai.

    Isso não é concorrência de fato, apenas um arremedo de livre mercado que os governos permitem apenas para não serem classificados como socialistas.

    Aproveitando o assunto subsídios, olha que belo exemplo vindo do Conselho de Corretores de Imóveis:

    “Já passou da hora de o governo perceber que o programa Minha Casa, Minha Vida não resolve esse grave problema social, que demanda soluções imediatas”, argumenta Viana Neto. O presidente do Creci paulista vê como “absolutamente necessária e urgente” a implantação de um programa nacional de aluguel social. “Da mesma forma que se concede subsídio para as famílias de baixa renda no Minha Casa, Minha Vida, é preciso subsidiar, com valores realistas, o aluguel de casas e apartamentos para as famílias que estão nessa situação dramática”, enfatiza. Além disso, Viana enfatizou a necessidade de se estabelecer uma tributação especial para estimular os investimentos em locações para a baixa renda.

    O presidente também ressaltou a importância de o Programa Minha Casa Minha Vida incluir os imóveis usados nos benefícios para que se tenha uma redução no valor dos imóveis por conta do aumento da oferta.”

    http://www.crecisp.gov.br/arquivos/pesquisas/capital/2014/pesquisa_capital_fevereiro_2014.pdf

    Esta declaração demonstra o fracasso que é o MCMV, programa de subsídios do governo pra construção de casa própria. Se o objetivo é justamente retirar as pessoas do aluguel, tá na hora de cancelar o programa, porque não deu certo.

    Ontem, assistindo uma palestra no Rio sobre controle externo, vi um conselheiro do TC de SC falando sobre este tipo de programa: criou-se o almoço grátis no Brasil. Minha empresa contribui para a campanha dos partidos políticos e em troca há uma enorme transferência de renda da população para estas empresas amigas. É o capitalismo sem risco, já que eu faço uma modesta contribuição de depois sou contratado para prestar serviço ao governo ou recebo subsídio por meu setor ser considerado estratégico.

    O MCMV é o maior programa de transferência de renda do povo para as empresas amigas do rei. De quebra ainda deixou uma bolha imobiliária pra quem não é abrangido por ele, já que criou um piso de preços nas capitais da ordem de 220K. É impossível comprar-se um imóvel abaixo destes preços. Quando a bolha imobiliária estourar, veremos uma enormidade de gente pobre, pois derem todas as suas economias e ainda comprometeram 30% de suas rendas por 30 anos em busca de um falso sonho de casa prórpia.

    Prosseguindo desta forma, jamais deixaremos de precisar de subsídios. Daqui a pouco até o papel higiênico será subsidiado.

    Sou totalmente contra estes subsídios, pois são a tradução do almoço grátis no país.

    Precisamos de um livre mercado genuíno, de preferência sem as agências reguladoras ou o próprio governo atrapalhando.

    • E porque, com o estouro da bolha que voce apregoa, as pessoas seriam despejadas de suas casas ? Qual a lógica ? Nenhuma.

  5. Aproveitando que você tem ligação com a oposição, aonde estão os candidatos de oposição que não batem forte nessa administração horrorosa? O que eu vi de oposição na mídia me parece briga de criança em horário de recreio.

    Parece que o PSDB e o PSB não querem vencer as disputas de outubro. Eu até entendo que os próximos 4 anos serão uma roubada sem fim pra quem pegar o país, mas precisamos mudar o comando, antes que o golpe final seja dado.

  6. Precisamos de subsídios sim, mas então, porque não começar por aqueles que o CADIM tem registrado como devedores da Receita Federal e quitar seus débitos, dando chance pra recomeçar uma atividade?Porque doar dinheiro aos outros Paises, e não perdoar as dívidas dos brasileiros?Porque cobrar INSS dos aposentados ?Porque pagamos as mais altas tarifas de telefonia do mundo?Porque os bancos cobram as mais altas taxas de juros, isso foi ou está autorizado por quem?Porque enrolar tanto as ações do INSS, sobre reajuste e complemento de pagamentos,para uma pessoa que nem eu que tenho câncer?

Os comentários estão desativados.