Saldo da Balança Comercial em 2014: projeções.

Desde o ano passado muita gente errou nas previsões. Quem deu muito peso ao passado recente dos indicadores, esperava uma melhora significativa do crescimento em decorrência dos estímulos que o governo deu ao longo de 2012. O Credit Suisse, que ficou muito perto de acertar o baixo crescimento do PIB de 2012, no início deste ano esperava um crescimento do PIB de 4%, ante a média de 3% esperada pelo mercado, e o Bradesco e a LCA consultores apostavam em crescimento de 3,5% em 2013.

Algumas consultorias colocavam que a chance de o Brasil crescer 2,5% ,em  2013, como o cenário pessimista que tinha uma baixa probabilidade de ocorrer: 25%. O mais provável era um crescimento perto ou acima 3%. Por que todo mundo errou? Porque todo mundo supervalorizou as medidas de estimulo à demanda e os modelos que olhavam para o passado indicavam um maior crescimento fruto dessas medidas.

Em 2012, um dos economistas mais pessimistas sobre o crescimento do PIB era o Alexandre Schwartzman que fazia uma conta simples sem se basear em modelos: PIB iria crescer este ano perto de 3% que seria uma combinação do crescimento da força de trabalho com o aumento da produtividade.

Ao que parece, houve uma “quebra estrutural” na nossa economia. O crescimento menor (média de 2% ao ano) no governo Dilma não decorre de problemas do lado da demanda, mas problemas do lado da oferta que reduziram o crescimento do PIB potencial. Assim, a aposta do mercado agora é que literalmente estamos presos em uma trajetória de baixo crescimento – algo em torno de 2,5% ao ano.

As projeções que me chegam as mãos são em geral pessimistas, mas há uma enorme variância em relação a alguns indicadores específicos. Em especial, entra nesse rol as projeções para o saldo da balança comercial, em 2014.

O IBRE-FGV aposta em uma saldo de US$ 5 bilhões. A CNI aposta em um número maior: US$ 9 bilhões. O Credit Suisse aposta em US$ 13 bilhões e outros trabalham com um saldo ainda maior: US$ 16 bilhões. A mediana do mercado é um saldo da balança comercial, em 2014, de US$ 7,8 bilhões para uma taxa de câmbio (R$/US$) em torno de 2,40.

No próximo ano, teremos elevada volatilidade da taxa de câmbio, mais um ano seguido de déficit no balanço de pagamentos e uma conta corrente deficitária em torno de 3,5% do PIB ou um pouco menos. Mas está difícil fazer projeções e mesmo o cenário mais otimista é pior do que o cenário pessimista do início do ano.

O Brasil hoje é pior do que há dez anos? Claro que não. É muito melhor. Não há como ganhar dinheiro no Brasil? claro que há excelentes oportunidades de investimentos em setores e empresas que crescerão muito acima da média. Mas estamos preso em um equilíbrio medíocre:  crescimento do PIB perto de 2,5% ao ano, déficit em conta corrente entre 3% e 3,5% do PIB, tendência de aumento do gasto público, queda adicional do resultado primário e crescimento da divida publica. E para piorar a expectativa do mercado é que a inflação fique próxima a 6% ao ano, ajudada pelo controle dos preços administrados.

Em resumo, o cenário econômico piorou e as pessoas no mercado que sabem ganhar dinheiro confirmam esse cenário. Não será fácil sair desse imbróglio com o tipo de medida que adotamos nos últimos três anos. Ao que parece, com exceção da taxa de desemprego, todos os indicadores e projeções econômicas pioraram.

A dúvida que fica é se tudo isso ainda vai piorar. Aqui os economistas se dividem. mas posso garantir pelas reuniões que tive nas últimas semanas é que mesmo um grupo de economistas que conversa com o ex-presidente Lula e que participou do seu governo não anda otimista. Até esse grupo tem dúvidas da “curva de reação” da equipe econômica.

Um pensamento sobre “Saldo da Balança Comercial em 2014: projeções.

  1. Prezado, gostaria que vc análisasse o orçamento aprovado no senado que para mim parece peça de fixão, pois prevê crescimento de 3% do pib e com isso aumenta consideravelmente o defecit das contas públicas e parece que contam com aprovação do orçamento impositivo e pergunto quais os economistas que trabalham para essa bando de otimistas.
    Caso aprovado deve aumentar a divida pública com suas famosas emendas parlamentares. Será que esse pessoal ouviu o recado das ruas?
    Quanto a previsão da balança comercial acho que ficaremos muito dependente dos paises asiaticos principalmente da China.
    O Mercosul é uma piada e não consegue fechar nenhum acordo.
    Como confiar em paises como Argentina, Paraguai e Venezuela agora fazendo parte do bloco.Hj esses paises são grandes parceiros do Brasil.
    O bloco do pacifico, (CHILE, COLOMBIA,PERU) estão dando um banho no crescimento mesmo nesse periodo de \crise na zona do euro e nos EUA,

Os comentários estão desativados.