Sobre a Matéria Especial da Revista The Economist

15649660Algumas pessoas apontaram para o radicalismo da revista The Economist que, ao contrário de 2009, traz agora o Cristo Redentor desgovernado. Assim, pela foto da capa poder-se-ia esperar uma matéria com viés excessivamente pessimista sobre o Brasil. Mas a matéria especial de 14 páginas está bem escrita e longe de adotar o conteúdo pessimista que a capa sugere.

Vou mais longe. A grande maioria dos analistas econômicos aqui no Brasil e jornalistas locais teriam escrito algo muito mais radical. A repórter, Helen Joyce, conseguiu fazer uma matéria muito boa que está longe de ser ufanista, como alguns desejariam, e longe de ser pessimista como outros gostariam. Vou destacar aqui 10 pontos para dar uma ideia do tom da matéria.

(1) “…Many have now lost faith in the idea that their country was headed for orbit and diagnosed just another voo de galinha (chicken flight), as they dubbed previous short-lived economic spurts”.

Esse é um bom debate. Há poucos anos muitos apostavam que o Brasil cresceria nos próximos dez anos perto de 4% aa. Agora essa expectativa é mais modesta: 3% a 3,5% aa. Ou seja, o crescimento de 4,6% aa ao longo do segundo governo Lula parece uma realidade muito distante e voltamos a debater o voo de galinha. Isso não é invenção da The Economist.

(2) “..But Brazil has done far too little to reform its government in the boom years. It is not alone in this: India had a similar chance, and missed it. But Brazil’s public sector imposes a particularly heavy burden on its private sector, as our special report explains

Alguém discorda que fomos complacentes com a agenda de reformas a partir do segundo governo Lula? Houve até um esforço do governo de continuar com algumas reformas como a reforma tributária, mas não conseguimos. E demoramos muito para iniciarmos as concessões. Alguém discorda? E, ao contrário de outros países em desenvolvimento que têm espaço para aumentar carga tributária e divida, nós já estamos em um patamar muito acima de outros países em desenvolvimento.

(3) “…..its spending on infrastructure is as skimpy as a string bikini. It spends just 1.5% of GDP on infrastructure, compared with a global average of 3.8%, even though its stock of infrastructure is valued at just 16% of GDP, compared with 71% in other big economies.”

Alguém tem dúvidas que investimos muito pouco em infraestrutura? Há anos Claudio Frishtak da InterB consultoria tem destacado isso, que nosso investimento em infraestrutura nos últimos dez anos não é suficiente nem para manter a qualidade. Esse é um problema tão grave que o governo abraçou uma audaciosa agenda de concessões.

(4) “….These problems have accumulated over generations. But Ms Rousseff has been unwilling or unable to tackle them, and has created new problems by interfering far more than the pragmatic Lula. She has scared investors away from infrastructure projects and undermined Brazil’s hard-won reputation for macroeconomic rectitude by publicly chivvying the Central Bank chief into slashing interest rates. …….and the markets do not trust Ms Roussef.

As pessoas de mercado falam exatamente isso (e muitas pessoas no governo também). Podemos concordar ou discordar dessas avaliações, mas muitos falam exatamente isso e, se for em reunião fechada, o tom é mais forte do que em reuniões abertas.

(5) “…But if Brazil is to recover its vim, it needs to rediscover an appetite for reform. …. Second, it must make Brazilian business more competitive and encourage it to invest. ….. Third, Brazil urgently needs political reform.

Alguma discordância dessa agenda? Mesmo meus amigos que são mais heterodoxos concordam com essas agenda.

(6) “…Ms Rousseff has been hectoring businessmen to invest more, ignoring the fact that it is mainly government obstructionism and heavy-handedness that hold them back. And commodity prices seem unlikely to bail out Brazil’s economy with another growth spurt

Eu escuto isso de grandes economistas, pessoas com experiência de governo e que são consultores econômicos. Todos muito respeitados. O excesso de intervenção na economia aumentou a insegurança dos investidores. Novamente, isso não é tese da revista mas sim de vários economistas brasileiros.

(7) The country has also blown its chance to cash in on its demographic bônus.

Novamente, isso é outra das teses praticamente consensuais entre economistas, que colocaria lado a lado meus amigos Samuel Pessoa (FGV-IBRE), que não acredita em política industrial, e meu amigo Jorge Arbache (UNB), que acredita em política industrial. Nos estamos na década final do nosso bônus demográfico e a poupança doméstica não cresceu e a tendência é diminuir. Um estudo do Ministério da Previdência anexado a última LDO mostra que, a partir de 2016, o déficit do INSS passará a crescer de forma contínua todos os anos.  Isso é estudo oficial do governo anexado à LDO. Novamente, não é tese da revista The Economist.

(8) “Despite all these caveats, this special report will argue that, given the will, there is scope for the social and economic advances of the past two decades to continue….. the government will have to resume the reforms it dropped during the good times: trimming pension benefits, cutting red tape, lowering and simplifying taxes and updating labour laws”.

Eu leio isso em publicações oficiais do próprio governo e escuto isso de economistas de dentro e fora do governo. Hoje, não escuto ninguém defendendo aumento de carga tributária como uma forma de alavancar o nosso crescimento e quase todo mundo fala a favor da agenda de simplificação tributária. No caso da previdência, vamos ter que fazer algo ao longo dos próximos dez anos por imposição demográfica, pode ser uma mudança pequena ou uma grande mas faremos algo.

(9) “…And it makes it harder to persuade the best young graduates to take up teaching in the first place. Pensions form such a large part of total compensation that they squeeze pay. State-school teachers’ salaries are among the lowest for graduate jobs in Brazil, so most high-flyers are not interested.”

A revista fala que os salários de professores são baixos para atrair os nossos formandos mais brilhantes para a sala de aula. Essa é uma tese que escuto de muita gente que estuda o tema educação. Como também que o aumento de recurso para educação deve ser acompanhado por uma melhoria de qualidade que envolve avaliação de professores e alunos e retirar os professores ruins da sala de aula. Se isso vai aumentar o gasto em educação não sei, mas aqui o debate não é apenas reduzir ou simplesmente aumentar o gasto.

(10) “Many Brazilians believe that cutting politicians’ perks would release enough cash to build better roads, schools and hospitals. But although such trimming would be a good thing, only a radical reshaping of public spending, and in particular much later retirement and lower pensions, will produce the required savings.”

Eu concordo 100% com isso. Muita gente acha que o combate a corrupção vai gerar um montanha de recursos que será suficiente para aumentar a oferta e qualidade dos serviços públicos, aumentar o investimento público e ainda reduzir carga tributária. Isso é “wishful thinking”. No Brasil, para criarmos o espaço fiscal para aumentar o investimento público e reduzir carga tributária teremos que mudar regras e rediscutir o gasto público, inclusive o gasto social. Estou aberto ao contraditório mas não me venham com papo furado que fechar 10 ministérios vai nos trazer uma substancial economia. Não vai.

Em resumo, a matéria da The Economist está excepcionalmente bem escrita e longe do tom pessimista que alguns poderiam imaginar, olhando apenas para a capa da revista. O ideal seria crescermos 5% ao ano sem precisarmos fazer reforma alguma. Mas alguém acredita nesta possibilidade? Alguém acredita que o Brasil não fará uma reforma da previdência (pequena ou grande pois vai depender da vontade do eleitor) ao  longo dos próximos dez anos? Infelizmente, teremos que fazer escolhas, mesmo que a escolha seja não avançar nas reformas e crescer menos.

13 pensamentos sobre “Sobre a Matéria Especial da Revista The Economist

  1. Parabéns, comentário objetivo e sem o tom pessimista que tem a maioria dos economistas.Acho que a falta de confiança nesse governo é fator fundamental para atrair investimentos necessários ao nosso pais.
    Espero que os petralhas não consigam a releição e que entre alguém com melhor credibilidade e vontade politica de tomar medidas impopulares e fazer o que tem que ser feito. Mas pelas alianças politicas de observo estamos longe disso.

  2. 100% de acordo com seu post. aliás, deveria escrever mais. foi mto minguadinho esse mês…

    tecer tres comentários só, a respeito do 7, depois de anos e anos de queda na velocidade de expansão do déficit da previdencia, esse ano retomamos rapidamente a velocidade. dei uma olhada nos resultados do tesouro de agosto, e pegando os 12 meses terrminando em agosto, ante os 12 meses terminados em agosto do ano passado, sao 27% de aumento no déficit da previdencia. ISSO apesar do mercado de emprego formal ainda estar subindo relativamente bem, o que creio eu não deva se sustentar nesse segundo semestre de crescimento fraco.

    segundo ponto, 10, absolutamente de acordo. a corrupção deve torrar uns 10% das receitas na pior das hipoteses. sendo realista, uns 5%, por ai, não mto mais. será que os serviços estão 90%-95% bons? aquele post dos gastos mostra claramente que o problema é o excesso de gasto com pensões/aposentos etc e a os gastos minusculos com investimento. essa nossa FBCF malemal cobre a propria depreciação dos investimentos passados, qto mais aumentar a produtividade…

    e terceiro comentário, a respeito das contas do tesouro divulgadas hj, quase tivemos déficit nominal em agosto. nao fosse uns dividendos bem arrumados… começo a achar que ano que vem 5% de déficit nominal vai ser um bom resultado, E ISSO que o governo tá jogando td os pagamentos de subsidios do BNDES pra 2015 em diante, fora um monte de maquiagens nas contas….

  3. Poxa, parabéns pela análise, mais uma vez muito fundamentada e imparcial! Como é bom ler comentários sóbrios de economistas que não foram abusados por petistas quando eram crianças e que também não acreditam no suposto estatismo dos milagres!!
    Sobre a questão previdenciária (RGPS, sobretudo), é incrível que algumas melhorias (ainda que modestas em termos de agregados fiscais) já poderiam ter sido conseguidas simplesmente com a alteração de algumas leis ordinárias (ex. as pensões extremamente benéficas vigentes no Brasil). Dizem que é para isso que as maiorias deveriam servir…
    Penso que nós enquanto povo temos uma tendência à polarização (mesmo os mais instruídos) o que leva alguns debates, como o aumento de gastos em determinadas áreas, para caminhos perigosos. Queremos acreditar que só aumentando gastos iremos resolver todos os problemas do mundo, quando a experiência não carimba essa impressão. Tendo a acreditar que só aumentar gastos com educação, sem mudanças de gestão no modelo, seja criar uma situação ainda pior do que a vigente. O mesmo raciocínio se aplica às tentativas de se criar um piso para a questão da segurança pública (PEC 300).
    Obrigado e continue postando.

  4. Segundo li em outro lugar, a reportagem diz que “eleitores brasileiros têm poucas razões para dar a Dilma um segundo mandato”. Se for assim, The Economist ṕode entender de Brasil, mas não entende de brasileiros. Ou dos brasileiros que contam em uma eleição. Não só eles têm todas as razões para reelegê-la, como vão fazê-lo.

  5. Bela análise. Pena que a posição do governo seja a de negar o valor da reportagem. Quando o The Economist mostrava o Cristo decolando, o PT usou a revista como propaganda, agora pede que a desconsideremos. Contradições que a incompetência e o marketing vale-tudo explicam.

  6. Realmente no fim da história, tudo é marketing, quando fala bem, mostra com veemência quando fala mau, desconsidere…

    Mas com toda certeza a análise de uma revista deste porte e sendo de fora, mostra o quanto o mundo “enxerga como o Brasil está”

  7. Fantástico comentário. Eu não sou economista mas sou um Técnico Industrial fascinado na Indústria e consequentemente nos fatores economicos dela. Como, a Indústria e um dos motores propulsores da nossa economia senão o principal deles parto deste ponto para dizer que no meu ponto de vista nós só teremos um avanço econômico substancial e robusto se efetuarmos uma reforma urgentemente na Indústria nos moldes da China .
    Este processo levará por volta de 10 anos mas, é possível se iniciarmos rspidamente já podemos começar a colher frutos em 2015.
    A estrutura de nossas Indústrias é caótica. A cada dia que passa o volume de importados cresce. E a razão é a ineficiência da Indústria Brasileira acima de 30%.
    Nos perdemos a referência de preços . Nós não possuímos capacidade para atender a demanda atual , a produtividade e extremamente baixa, a qualidade devido, os velhos equipamentos e máquinas e baixa e consequentemente os desperdícios são enormes.
    Infelizmente, o que os economistas escrevem sôbre a Indústria Brasileira não merecem crèdito. Tenho certeza absoluta de que poucos são aqueles que, de fato conhecem a realidade do chão de fábrica.

  8. é claro que não basta reduzir os salarios+beneficios e controlar a corrupção pra dar um ‘norte’ nas contas dessa Banania !!! mas que isso, juntamente com as reformas tão esperadas e a revisão do pacto federativo (alem de uma ‘perda’ de poder pelo Executivo e um crescimento técnico do Legislativo – sem falar numa maior operacionalidade do Judiciário)… isso é uma revisão do pais que queremos ser – muito diferente da Capitania Hereditária de hoje… tudo isso trará condições de reduzirmos juros, investir mais e crescer 5%aa !!!

    • A sua colocação é perfeita. Mansueto se voce puder ler o Link bit.ly/brasiliansuppliers? Escrito pela Roland Berger. Achei bem interessante porque reflete a realidade Brasileira criada pelos empresários. Parabéns

  9. Pingback: Um pouco de Brasil | Mercado Ineficiente

Os comentários estão desativados.