Resultado do debate na Câmara dos Deputados

Estou sem tempo de escrever muito, mas quem quiser sentir como foi o debate ontem na Câmara dos Deputados entre Eu, Marcos Lisboa (INSPER e ex-secretário de política econômica) e Márcio Holland (titular da SPE-Min da Fazenda) no seminário do PMDB poderá ler as matérias que saíram na imprensa. Gostei muito do que escreveu a turma do Estadão que destacou bem as divergências que tenho do secretário.

Acho difícil chegar a um meio termo porque para Márcio Holland o governo vem fazendo tudo certo. Me surpreendeu o secretário afirmar que toda a política de subsídio entre Tesouro Nacional e BNDES é transparente e que a SPE foi inclusive elogiada diversas vezes pelo TCU. É justamente o contrário.

Acho que o secretário não leu o último relatório das contas da União do TCU do Ministro do TCU José Jorge no qual ele critica veemente a pouca transparência dos empréstimos do Tesouro para bancos públicos e as manobras fiscias. Por exemplo vejam essa noticia: TCU critica manobras fiscais ao aprovar contas do governo. Nessa matéria do Globo o Ministro do TCU José Jorge falou que:

“José Jorge atacou a antecipação do pagamento de dividendos a acionistas da Caixa Econômica Federal (CEF) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), num total de R$ 7 bilhões, e a utilização de R$ 12,4 bilhões do Fundo Soberano, criado em 2008 para garantir apoio a projetos prioritários ou socorrer o país em momentos de dificuldades. O ministro do TCU disse que manobras desse tipo não ajudam o país e podem conduzi-lo a uma “argentinização”.

No mais, para acompanhar o debate, seguem os links: Estado de São Paulo (clique aqui), Portal G1 da Globo (clique aqui) e Valor Econômico (clique aqui). Eu e Marcos Lisboa concordamos em 100% e entre nós e nosso colega Márcio Holland não houve muita concordância. O debate foi bem animado e talvez o video seja disponibilizado depois.

Um pensamento sobre “Resultado do debate na Câmara dos Deputados

  1. Queria saber o que se passa na cabeça de um membro do governo, de nível universitário, que teima em não enxergar fatos simples e evidentes da realidade. Ter opinião, crença, ideologia diferente, propor medidas inusitadas, até aí tudo bem. Mas ignorar a realidade – como dados estatísticos e pareceres em português claro de ministros do TCU – para justificar sua opinião, não faz sentido. O que será este comportamento compulsivo de negar a realidade que todos percebem com clareza?

Os comentários estão desativados.