Entrevista ao Instituto Millenium: controle do gasto público

Millenium segue o link para a entrevista que dei à para o Instituto Millenium sobre controle do gasto público. Clique aqui.

No final da entrevista afirmo que: “a Secretaria do Tesouro Nacional e o Ministério do Planejamento não podem se dar ao luxo de decidir quando vão falar ou não com a imprensa. Esses órgãos precisam sempre tirar as dúvidas dos jornalistas sobre o gasto público e a receita federal, pois a sociedade tem o direito de exigir mais transparência no uso de recursos públicos. Hoje, os jornalistas têm uma imensa dificuldade de esclarecer dúvidas com órgãos governamentais.”

O que falei acima é sério. Vários jornalistas que me ligam querem tirar dúvidas que não conseguem com o Tesouro Nacional ou com o Ministério do Planejamento que simplesmente recusam as a responder as perguntas (inconvenientes?) dos jornalistas. Em alguns casos topam falar mas apenas se for em off.

É necessário que os órgãos públicos compreendam que transparência e “accountability” não se restringe a divulgação da relatórios. Responder perguntas inconvenientes faz parte da transparência que se espera das ações de um governo, principalmente, quando o que se entende por receita e despesa passar a ter uma interpretação flexível.

3 pensamentos sobre “Entrevista ao Instituto Millenium: controle do gasto público

  1. Isso é absolutamente fundamental.
    Andei conversando com alguns jornalistas sobre malabarismos feitos pelo Tesouro e um deles me disse que fez perguntas sobre algumas medidas do setor elétrico em uma coletiva do Mantega em Brasília e ele simplesmente enrolou, sem responder. Os mesmos questionamentos foram enviados ao Tesouro, que não respondeu. Poxa, se a questão levantada pelo repórter não tem fundamento, que neguem. Se tem, que admitam. Se está errada, que corrijam. Mas deixar sem resposta dá margem a todo tipo de teoria da conspiração. Sem contar que é pura falta de transparência. O governo não criou a tal Lei de Acesso à Informação? Será que teremos que ficar apelando para ela? Tudo bem, até podemos, mas ela tem um prazo muito longo de resposta e é muito mais engessada do que poderia e deveria ser a comunicação com o Tesouro. Lamentável.

  2. Tente conseguir informações sobre penhor na CAIXA… estou a 2 meses buscando séries históricas de contratação desta operação – que é monopólio da CAIXA e regulada pelo Código Civil (não é pelo Bacen) – e até o momento nada. Encaminho as demandas e não sou respondido. Impressiona-me a falta de bom senso… simplesmente os dados não são fornecidos, o que sugere que os mesmos não existem… acho que a Lei de Acesso a Informação ainda não “pegou”,,,

Os comentários estão desativados.