Quem ganhou dinheiro: os otimistas ou os pessimistas?

Acabaram de me enviar o relatório de um dos fundos mais respeitado do mercado, que no primeiro semestre deste ano deu um retorno de 5,90% . Nada mau!! O gestor desse fundo tem os pés no chão e me chamou atenção o que ele escreveu na introdução do relatório deste mês:

“A performance em ações em um semestre terrível como o que passou foi alcançada com a baixíssima exposição a empresas brasileiras e com a substituição destas por um portfólio global, o que se provou uma excelente estratégia defensiva. 

Estamos satisfeitos por termos conseguido preservar o patrimônio dos cotistas em um cenário tão adverso. Isso foi possível por termos uma visão fundamentalista negativa do Brasil há mais de três anos, o que nos permitiu montar posições de hedge em juros e câmbio, além da baixa exposição ao mercado acionário brasileiro. O desafio é, e sempre será, o dilema “fundamento x market timing”.

Moral da história. Uma vez um membro da equipe econômica falou que: “quem apostar contra o Brasil vai quebrar a cara”. Bom, ao que parece, quem apostou contra o Brasil no momento certo ganhou dinheiro. E quem confiou nas declarações otimistas da equipe econômica (dólar estável, equilíbrio fiscal com meta cheia, recuperação das exportações, aumento do investimento público, redução do custo Brasil, etc.) quebrou a cara e perdeu dinheiro.

A propósito, o relatório do aludido fundo está muito bom e bem pessimista. Adoraria discordar desses caras que “trabalham no lado negro da força”. Mas as considerações deles fazem um bocado de sentido. Sugiro que eles escrevam um artigo.

18 pensamentos sobre “Quem ganhou dinheiro: os otimistas ou os pessimistas?

  1. Devemos nomear a competência: o nome do gestor é Luis Stuhlberger,
    Diretor da Credit Suisse Hedging-Griffo Asset Management

  2. Mansueto, veja a matéria da Bloomberg abaixo do estrategista chefe do Morgan Stanley para mercardos emrgentes, Ruchir Sharma.

    “Capital flight from the BRICs, Brazil, Russia, India and China, is sending their stocks, bonds and currencies down in tandem for the first time since 2006 as the 10-year love affair with the largest emerging markets ends.
    “Every decade, there’s a theme that captures investors’ imagination — the 1970s was about gold, 1980s was all about Japan and 1990s was about technology companies,” Ruchir Sharma, the New York-based head of emerging markets at Morgan Stanley Investment Management, which oversees $341 billion, said in a phone interview on July 8. “Last decade it was about the BRICs. That theme has basically run its course.”Investors withdrew $13.9 billion from equity mutual funds invested in the four countries this year, or 27 percent of the inflows since 2005, according to EPFR Global. The MSCI BRIC Index fell 12 percent last quarter while the nations’ currencies sank 4.1 percent against the dollar and government bonds lost an average 0.6 percent, the only such correlation in data compiled by Bloomberg going back seven years.
    Brazil’s combination of quickening inflation, weak economic growth and violent protests is driving away investors just as speculation of reduced Federal Reserve stimulus spurs capital outflows from emerging markets worldwide. Russia’s economy has slowed for five straight quarters as oil dropped, while India’s current-account deficit fueled the rupee’s decline to an all-time low. China is headed for the weakest annual expansion since 1990, according to Barclays Plc and HSBC Holdings Plc.

    Restante no endereço: http://www.bloomberg.com/news/2013-07-09/ruble-to-real-roiled-with-no-brick-in-brics-13-9-billion-lost.html

    Em suma. Acabou a lua de mel. Enquanto isso nossos diletos “tecnocratas” despendem energia na tentativa de “maquiar” as contas públicas.

  3. Para quem não sabe o relatório foi elaborado pela Hedging Griffo onde trabalha o Sthulberger que, até onde eu sei, não é permabull nem permabear, um “permarealista”.

  4. Mansueto, Precisamos verificar qual foi a rentabilidade desse fundo nos anos anteriores, já que ele teve essa visão pessimista a três anos. Ele vem apostando em cambio e ações internacionais a três anos? ser for, acho que não esta tão bom assim. Será que manter esse posição em ações internacionais e cambio hoje ainda é uma boa aposta?

  5. Regis, esse ê um dos fundos de melhor performance no mercado. Foi matéria no valor há 2 ou 3 meses. A questão de ganhar dinheiro é saber mudar a composição da carteira antes dos outros. Quem confiou 100% que todas medidas do governo iam entregar mais crescimento, quebrou a cara.

    • Eu também não conhecia o tal do Luís Stuhlberger, porque não sou do ramo. Mas, em um consulta rápida pela internet (leia-se: Google), encontrei a excelente matéria da (nem sempre excelente) revista Piauí sobre o Stuhlberger e o Hedging-Griffo Verde:

      “O Verde é um fundo multimercado, conhecido no jargão como hedge fund (composto por ações, moedas, títulos públicos e privados, e derivativos – operações que têm como base cotações de ativos negociados na Bolsa de Mercadorias e Futuros, a BM&F). É o maior fundo do tipo no mundo, excetuando-se os americanos. Seu desempenho não é acompanhado nem de longe pelos concorrentes. De 1997 até julho passado [a matéria é de outubro de 2008], os recursos investidos no Verde tiveram uma valorização de 3 684,2%. Alguém que, há onze anos, tivesse entregado 30 mil reais ao Verde teria hoje mais de 1 milhão. Stuhlberger é um fazedor de milionários. A começar por ele mesmo, cujo patrimônio é estimado em várias centenas de milhões de reais.”

      Logo, Mansueto está certo, como sempre. O link para a matéria da Piauí é esse: http://revistapiaui.estadao.com.br/edicao-25/figuras-das-financas/bilhoes-e-lagrimas

      Parabéns pelo blog, Mansueto!

  6. Quando vão parar com essa história de que ser realista é ser do lado negro da força ou do contra !?!? Vão continuar a se enganar a si próprios por quanto tempo mais ?!?!?

    O Luis Stuhlberger é de longe o melhor gestor de recursos que este pais conheceu desde que o mercado de capitais com esse nome existe em terras tupiniquins, e não o é por aderir a modismos ou por ser um yes man de alguma corrente filosófica, é o melhor porque é realista e tem uma análise extremamente precisa do que se está a passar. Avé Luis Stuhlberger

  7. Mansueto, o mercado de investimentos é feito de otimistas e pessimistas, prefiro ficar com os otimistas. Não vejo nenhum brilhantismo em conseguir a aludida rentabilidade. Quem estuda e acompanha o mercado de renda variavel (ações) com visão de longo prazo sabendo escolher as empresas para comprar tem 80% de chance de construir um belo patrimonio.
    Perde no mercado quem especula no curto prazo e também ganha, na guerra entre comprados e vendidos, vc tem que escolher um lado e entrar na briga.
    É sensacional, quem entra não quer sair.

  8. Mansueto, isso só confirma o que uma minoria esclarecida já percebeu, a área econômica do nosso governo precisa recolocar o país nos trilhos da estabilidade a fim de recuperar o crédito junto aos investidores e parar de governar de forma populista pensando somente em reeleição até porque talvez a conta chegue antes.
    ….

  9. Pingback: Quem apostou contra o Brasil ganhou dinheiro, contradizendo Lula « Brasil em Foco

Os comentários estão desativados.