Professor, o que o governo pode fazer para promover o crescimento?-2

Antes de ler este post, leia o anterior para acompanhar o debate.

4) Abhijit Banerjee (MIT) e Esther Duflo (MIT).

Nossos colegas são muito radicais. Eles todos podem contribuir com a solução para reduzir a pobreza e promover o crescimento, mas é preciso qualificar as teses deles com a metodologia de Randomized Evaluations-RE que os pesquisadores do “Poverty Action Lab” utilizam.

Para melhorar as INSTITUIÇÕES (as regras do jogo de uma sociedade) tão destacadas pelo Daron Acemoglu, precisamos entender melhor as “instituições” no âmbito microeconômico, por exemplo, os programas de microcrédito, transferência de renda condicionada, programas de melhoria das escolas em comunidades pobres, projetos de esclarecimento nas vilas pobres para melhorar a governança local, programas de esclarecimento à população sobre os recursos transferidos para escola local, etc.

Esses vários programas no âmbito microeconômico podem ser testados em várias regiões e países pobres e, se adequadamente avaliados (via Randomized Evaluations-RE), poderiam nos ensinar o que funciona e em quais condições. Esses programas locais são em geral baratos e os estudos que fazemos mostram que muitos deles melhoram o bem estar de comunidades pobres e, esse tipo de programa, se adotado em escala maior depois de adequadamente testado como se faz na indústria farmacêutica com novas drogas, poderiam melhorar as INSTITUIÇÕES.

Neste caso, a solução macro do crescimento de longo prazo viria de projetos locais no qual a comunidade internacional poderia ajudar com recursos e avaliação (Sachs poderia ajudar). Mas incentivos são importantes e o desenho desses programas micro precisam levar em conta os incentivos de mercado (Easterly poderia ajudar). Por fim, podemos melhorar as INSTITUIÇÕES no âmbito macro a partir de projetos micro (instituições com letra minúscula) (Acemoglu e Robinson concordamos com vocês, mas janelas de oportunidades podem ser criadas).

5) Joseph Stiglitz (Columbia University) e Paul Krugman (Princeton University)

Professor Joseph Stiglitz

O mundo é uma droga com politicas erradas de países desenvolvidos que foram capturados pela elite do sistema financeiro. Os países em desenvolvimento confiaram demais no “Consenso de Washington” e adotaram politicas que dificultam o crescimento de longo prazo.

A solução para o problema do crescimento passa, necessariamente, por políticas governamentais mais ativas que promovam o crescimento, fortaleça o papel dos sindicatos dos trabalhadores, aumentem a tributação sobre os mais ricos, aumente a rede de bem estar social, aumente a regulação do sistema financeiro, adoção de politicas industriais e fomento à inovação.

Professor Paul Krugman

O governo tem a força e precisamos apenas trazer para o poder as pessoas certas, aquela que estão dispostas a promover o crescimento inclusivo e não cair na armadilha do pessimismo dos economistas de Chicago. No caso dos EUA, se voltarmos ao mix de politicas que tinhamos no pós-guerra, podemos voltar a crescer novamente e pagar nosso imensa dívida.

O problema do baixo crescimento dos EUA, por exemplo, é um problema político que resultou da captura do governo pelas elites e baixa mobilização dos trabalhadores. A crise decorreu da falta de regulação do governo e da perda de poder do eleitor mediano, um processo que teve início na primeira metade da década de 1970.

6) Dani Rodrik (Harvard) e Ricardo Hausmann (Harvard)

professor Dani Rodrik

Os países precisam experimentar e descobrir suas vantagens comparativas. Vantagens comparativas podem ser criadas e o governo tem um papel importante nesse processo de estimulo à descoberta do que pode ser produzido de forma eficiente em um país. O foco não é dar incentivos para o que já existe, mas incentivos para que novos empreendedores possam investir em novos setores ou produtos, com o Estado compartilhando o custo do fracasso.

Esse processo de descoberta precisa ser subsidiado porque o retorno social é muito maior que o retorno privado e, assim, se não for subsidiado a sociedade vai investir pouco nesse processo de descoberta de novas atividades. Essa estratégia que advogamos pode complementar a estratégia do Banerjee e da sua turma do Poverty Action Lab – não são estratégias excludentes e espero que eles entendam dessa forma.

professor Ricardo Hausmann

Instituições são importantes. mas os países melhoram, gradualmente, suas instituições ao longo do processo de crescimento e “boas instituições” dependem do estágio de desenvolvimento de cada país. A China seria um bom exemplo desse processo de descoberta e melhoria institucional patrocinado pelo governo.O importante quando se fala de políticas de fomento ao crescimento e a setores produtivos é ter monitoramento, avaliação e regras de saída. Há espaço para “boas políticas industriais”.

Mas o fato de defendermos politicas industriais não significa que sejamos a favor das loucuras que muitos países fazem e chamam de politica industrial. No caso específico do Brasil, já publiquei texto (Hausmann), em 2008, onde defendo que o Brasil já tem uma estrutura industrial diversificada e que o problema maior de vocês seria a baixa taxa de poupança doméstica.

2 pensamentos sobre “Professor, o que o governo pode fazer para promover o crescimento?-2

  1. Pingback: Uma Comparação das Recentes Teorias do Desenvolvimento « Prosa Econômica

  2. Pingback: Economia: Professor, O Que o Governo Pode Fazer Para Promover o Crescimento? « words of leisure

Os comentários estão desativados.