Desindustrialização: Entrevista com Edmar Bacha

Esta entrevista do professor Edmar Bacha ao jornal Folha de São Paulo está muito boa. Confesso que me identifiquei muito com as teses defendidas por Bacha, em especial, sua critica à mecanismos de proteção comercial – a indústria para ser competitiva tem que ter acesso aos melhores fornecedores do mundo. OU seja, mais proteção pode ter o efeito adverso de tornar a indústria menos e não mais competitiva.

Vale a pena ler a entrevista (clique aqui). O professor Bacha está organizando um livro “Desindustrialização: O Que Fazer?” que deverá ser lançado nos próximos dois meses. Neste livro escrevi um capítulo cujo o título é: ” Padrões de política industrial: a velha, a nova e a brasileira”.

 

2 pensamentos sobre “Desindustrialização: Entrevista com Edmar Bacha

  1. Prezado Mansueto,

    Muito boa a entrevista, mas penso que realmente existe um problema de cambio tb: nao eh o unico problema, mas ele existe. Ele poderia ter mencionado, por exemplo, que parte da valorizacao do real eh devido as desvalorizacoes de moedas de circulacao internacional. As emissoes gigantescas promovidas pelos EUA e Europa e o cambio parcialmente controlado da moeda emergente chinesa. O problema eh utilizar politicas protecionistas, ou seletivas de credito, por exemplo, como contramedidas.

    []s!

    • Mas talvez o problema do câmbio tenha apenas agravado algo que pela estrutura da nossa economia dos últimos anos era inevitável: a perda de participação da indústria no PIB.

      O Bacha fez um modelo no qual, mesmo sem considerar taxa de câmbio, o mero fato de o país ter um choque positivo exógeno (ficar mais rido pelo aumento de preços das commodities) aumentaria o consumo, investimento e levaria o país a pleno emprego.

      Neste modelo, o aumento de custos é repassado para os preços dos serviços mas não dos produtos industriais, que enfrentam concorrência internacional. Neste modelo, a desindustrialização ocorreria mesmo com o câmbio fixo. Por isso que ele evita falar em taxa de câmbio.

Os comentários estão desativados.