Banco do Brasil = BNDES ? como?

Estou curioso com uma notícia que lí hoje no jornal Valor Econômico que não faz o mínimo sentido, a não ser que o Tesouro Nacional esteja preparando mais um grande subsídio para uma linha de empréstimo do Banco do Brasil.

Segundo a matéria, o Banco do Brasil deverá financiar R$ 5,5 bilhões para a usina hidrelétrica de Belo Monte nas mesmas condições do BNDES: prazo de carência para o primeiro pagamento em torno de oito anos, mais 25 anos para a amortização a uma taxa de juros em torno de 5,5% ao ano.

O Banco do Brasil não tem condições de dar empréstimos nessas condições, pois o custo de captação do banco é muito superior a 5,5% ao ano e o banco não empresta recursos próprios por 25 anos. Ou seja, esse empréstimo do BB para Belo Monte só será possível com subsídios do Tesouro, o que será até bom porque estará explicito no orçamento como estão os subsídios ao crédito rural.

Por outro lado, o uso do BB para essa operação com o Tesouro Nacional equalizando taxas (isso é a  única forma dessa operação ser viável) mostra que a idéia do economista Samuel Pessoa – de transformar o BNDES em um tipo de BB cujos projetos de maior retorno social fossem subsidiados diretamente pelo Tesouro – faz cada vez mais sentido (ver post neste blog). Afinal, não é isso que será feito com essa operação via BB?

Só espero que não inventem uma operação que está cada vez mais atraindo adeptos na Esplanada dos Ministérios: (1) aumenta-se os emprestimos para o BNDES e continua essa confusão de não divulgar os custos dessas operações, (2) o BNDES passa cada vez mais a emprestar para a a CEF e BB em condições especiais para que esses dois bancos financiem projetos de interesse do governo, e (3)  tudo fica fora do orçamento, já que as operações de empréstimos para o BNDES “não têm custo”. Espero que o caminho não seja esse.

Nada contra subsídios a projetos de interesse público e de elevado retorno social. Mas vamos deixar o custo claro e contabilizado.

Um pensamento sobre “Banco do Brasil = BNDES ? como?

  1. ATÉ PARECE que o BANCO DO BRASIL fornece o CARTÃO DO BNDES para PEQUENOS E MICRO EMPRESÁRIOS.
    NÃO ADIANTA tentar que NÃO SE CONSEGUE.
    GERENTES DO BB estão empenhados em “CUMPRIR METAS” e joga os PEQUENOS E MICROS no GIRO FLEX, OU GIRO RÁPIDO, EMPURRANDO ‘PRODUTOS” do BB (SEGUROS, CONSÓRCIOS etc.) para cima DE QUEM PRECISA DO CARTÃO.
    É PURA ENGANAÇÃO.
    JOGAM OS EMPRESÁRIOS NO CHEQUE ESPECIAL, vão empurrando com a barriga, vão ENGANANDO até a PESSOA não conseguir pagar e ai FECHA AS PORTAS.

    O GOVERNO se quer REALMENTE CRIAR EMPREGOS PRECISA COM URGÊNCIA voltar os OLHOS para ESTA SITUAÇÃO em que o BB está JOGANDO OS PEQUENOS E MÉDIOS EMPRESÁRIOS.
    É UM CRIME contra o CIDADÃO que sonha em TER UMA EMPRESA ESTÁVEL e com DINHEIRO DO BNDES.
    QUANTO ao CRÉDITO para GRANDES INVESTIMENTOS precisamos saber exatamente COMO fica a situação.
    PARA os GRANDES EMPRESÁRIOS, já SOLIDIFICADOS o DINHEIRO É FACIL, e é possivel que a FUNDO PERDIDO tudo realmente fica mais “facíl”.

Os comentários estão desativados.